Skip to main content

Nosso querido encanador Mario é mais famoso pelos seus icônicos jogos de plataforma, mas não deixa de ser um dos personagens que mais se aventuraram em diferentes gêneros. Dentre eles, podemos destacar suas séries de estratégia, que hoje seguem firmes na linha Paper Mario – e não podemos nos esquecer de Mario & Luigi, que mesmo estando na geladeira há um bom tempo, merece a menção honrosa. Contudo, tudo isso começou lá em 1996, quando o inusitado Super Mario RPG: Legend of the Seven Stars foi lançado para SNES.

Este título foi a porta de entrada da maior figura da Nintendo dentro dos jogos de estratégia. Desenvolvido pela Square Enix (que na época ainda era apenas Squaresoft), ele foi o primeiro a trazer um enredo mais elaborado e o saudoso combate em turnos para o universo do personagem. Pode parecer maluquice colocar o Mario em um jogo do gênero, mas deu tão certo que hoje, 27 anos depois, estamos recebendo um remake deste clássico absoluto!

De volta às origens

Mesmo com inúmeros títulos das séries Paper Mario e Mario & Luigi sendo lançados ao longo dos anos, Super Mario RPG nunca perdeu sua relevância. Este jogo consagrou uma das aventuras mais marcantes do bigodudo, expandindo seu universo de uma forma nunca vista antes (pelo menos naquela época). Temos aqui personagens autênticos e repletos de carisma, além de interações inéditas entre rostos já conhecidos do “Marioverso”.

Só aqui você pode ver Mario, Peach e Bowser lutando lado a lado

Super Mario RPG começa de um jeito um tanto tradicional, com o encanador partindo ao resgate da Princesa Peach, que novamente foi sequestrada pelo Bowser. Contudo, testemunhamos uma grande reviravolta ao ver o castelo do vilão ser tomado por uma espada gigante, trazendo consigo um novo grupo de antagonistas. Para resgatar a paz de Mushroom Kingdom, caberá a Mario, amigos e rivais se unirem para encontrar sete estrelas mágicas que se perderam pelo reino.

Apesar de ser uma história infantil e sem reviravoltas mirabolantes, a trama consegue ser perfeitamente divertida para todas as idades. Os diálogos são engraçados na medida certa, sem forçar a barra e ainda agregando valor à personalidade de cada personagem. O único que não fala aqui é o Mario, que segue na tradição do protagonista mudo – mas sinceramente, nem faz falta. A única coisa que deixou saudades aqui foi a localização em português, principalmente por ser um jogo com muita conversa.

As cenas em CG dos ataques especiais são incríveis!

Em uma campanha com aproximadamente 12 horas de duração, exploraremos diversos cantos do Reino dos Cogumelos e seus arredores, além de conhecer dois personagens muito simpáticos: Mallow e Geno. Esse é o único jogo em que eles deram as caras, mas já é o suficiente para ganhar o coração de qualquer um que jogar. Ao lado de Peach e até Bowser, teremos um quinteto repleto de química e interações divertidas do início ao fim.

O que tem de novo?

Olhando por cima, pode parecer que o Super Mario RPG do Switch é apenas um remaster, mas o jogo foi de fato refeito do zero. A estética do clássico foi mantida, com câmera isométrica, cenários cercados por abismos e personagens baixinhos. O trabalho do estúdio ArtePiazza aqui foi transformar tudo isso em um título moderno, com gráficos contemporâneos e músicas orquestradas (mas ainda é possível jogar com a trilha musical do SNES, para quem estiver se sentindo nostálgico).

Para começar, o novo Super Mario RPG é um jogo bem mais acessível. RPGs antigos têm fama de serem difíceis e, mesmo que o original não seja tão complicado assim, algumas das suas mecânicas podem dificultar a experiência – simplesmente pelo fato de estarem ultrapassadas. Pensando nisso, o título recebeu uma série de melhorias que o transformaram em um jogo mais moderno, servindo como uma excelente porta de entrada para quem nunca se aventurou no gênero.

Imagens com som

Logo de cara, temos a possibilidade de escolher um nível de dificuldade (Normal ou Fácil), o que já é uma novidade. O Normal seria a experiência mais próxima do jogo original, mas levando em consideração que o combate recebeu algumas atualizações, podemos dizer que o remake do Switch está mais fácil no geral. De qualquer forma, não achei isso ruim, pois toda minha experiência com o jogo foi bem fiel ao título de 1996.

O combate está levemente mais dinâmico e cheio de possibilidades. O sistema de timing, que é o grande diferencial de Super Mario RPG, foi aprimorado e diversificado. Sempre que vamos atacar ou nos defender, podemos apertar A no momento exato para aumentar o dano ou até sair ileso de um golpe inimigo. O jogo está mais fácil nesse quesito, ficando mais simples de deduzir quando devemos apertar o botão.

Os trechos de plataforma estão tão frustrantes quanto eu me lembrava

Isso não significa que está perfeito, pois nem sempre é tão simples acertar esse timing. Cada personagem exige um tempo diferente e, ao trocar de arma, precisamos nos adaptar novamente aos seus próprios momentos. Não se limitando somente a isso, a revisão dessa mecânica também trouxe outras novidades, como um sistema de combos e uma barrinha de especial.

Quanto mais “tempos” você acertar, maior será a recompensa concedida pelo combo (provendo buffs aos personagens). Ao encher 100% da barrinha de timing, podemos desencadear um ataque triplo devastador, onde os três membros da party se unem para fazer algo realmente único. Todos esses ataques são apresentados com belíssimas cenas em CG e cada combinação de party traz um especial diferente, nos incentivando a explorar várias formações para ver o que acontece.

Renasce uma estrela

Por fim, ainda podemos destacar algumas mudanças relevantes que foram implementadas neste novo Super Mario RPG. São coisas simples, mas que fazem toda a diferença, como transportar automaticamente seus itens para um depósito quando o inventário está cheio, ou poder alterar sua party dentro do combate. Esses detalhes não estavam presentes no original e certamente ajudaram a deixar o jogo ainda melhor.

Até hoje eu não consegui entender esse minigame

Quem quiser um desafio maior provavelmente vai gostar bastante do replay. Ao terminar o jogo e iniciar um novo, é possível enfrentar versões mais fortes dos chefes que aparecem na campanha, exigindo grandes mudanças na sua estratégia. Ainda que o jogo esteja mais fácil em diversos aspectos, foi dada uma atenção especial para não deixar os fãs hardcore na mão – e a campanha é relativamente curta, então não demora nada para liberar essa modalidade mais difícil.

Se você nunca jogou Super Mario RPG, a hora é agora! Este clássico que marcou uma belíssima parceria entre Nintendo e Square Enix nunca esteve melhor – e olha que ele já era excelente antigamente. Você dificilmente não se encantará com absolutamente tudo neste jogo: o visual, as músicas, os diálogos, os personagens, o Mario gordinho e tantos outros detalhes. Temos aqui mais um exemplo perfeito de como fazer o remake ideal sem abrir mão do material original.

90%


Prós:

🔺 Renova o clássico com muita fidelidade ao original
🔺 Excelente aventura com vários personagens marcantes
🔺 Combate renovado e mais completo
🔺 Adição de funções e mecânicas que deixam o título mais moderno

Contras:

🔻 Para o bem ou para o mal, está mais fácil que o original
🔻 Sistema de timing ainda pode ser um pouco frustrante
🔻 Ocorrem quedas de framerate com uma certa frequência

Ficha Técnica:

Lançamento: 17/11/23
Desenvolvedora: ArtePiazza
Distribuidora: Nintendo
Plataformas: Switch

Review – Ruff Ghanor

Rafael NeryRafael Nery27/02/2024

Review – Penny’s Big Breakaway

Renato Moura Jr.Renato Moura Jr.27/02/2024