Skip to main content

Parecia uma boa idéia reunir personagens de contos de fadas e colocá-las em um mundo de luta e carnificina. Pelo menos essa foi a idéia da Playlogic. Apelando para o senso de humor e violência gratuita, o jogo apresenta personagens caricatos e bichinhos fofinhos sendo desmembrados, fatiados, fritados, e o que mais puder imaginar. Lembra claramente o famoso Happy Tree Friends (site). Só que alguém da Playlogic esqueceu-se de colocar diversão no jogo.

O game começa com a chegada de Taylor em Taleville, um personagem desconhecido que toma conta da cena no mundo das fábulas. Ele assume o trono e proclama-se rei dos contos de fadas, tirando todo o prestígio dos personagens, que resolvem ir à luta para recuperar a fama no mundo do faz de conta. Você tem como opção quatro personagens: Little Red (Chapeuzinho Vermelho), Jack (João, do Pé de Feijão), Snow White (Branca de Neve) e o The Emperor, o imperador pelado da história.

Seja lá qual for o personagem que você escolher, a história e a jogabilidade não mudam em nada. Você usa o analógico direito para atacar, e pressioná-lo em diferentes direções dispara ações especiais. Mas como é muito impreciso realizar um ataque, é mais fácil sacudir o analógico feito maluco (como eu fiz). E nesse sentido a Playlogic conseguiu fazer uma jogabilidade pior que a do Too Human.

Fairytale Fights

É uma tortura de 22 fases, que parece interminável. Quando você passa da décima segunda fase a coisa se torna bastante enjoativa. Tem que ter muita coragem para terminá-lo, pois o jogo é extremamente linear e sem graça. Devido a péssima jogabilidade, é comum morrer com frequência. Mas não se preocupe, pois a morte significa apenas a perda de uma parcela de dinheiro que você recolhe de baús e inimigos derrotados – sem utilidade alguma, já que o melhor investimento é fazer uma estátua de seu personagem em Taleville.

Os gráficos não são feios e a Unreal Engine 3 permite um maior dinamismo no sistema de cortes (que a Playlogic chama de “Salami Violence”), uma vez que é possível manipular o corte de diversas maneiras e sempre descobrir um jeito novo de acabar com seus inimigos. Existe uma barra que, quando está totalmente carregada, você pode executar um ataque em que o seu personagem desmembra o inimigo de acordo com os movimentos do analógico. Isso pode ser divertido nos primeiros minutos, mas enjoa rapidamente.

Fairytale Fights

Para ser mais justo, há uma grande variedade de armas para usar. Machados, jornais enrolados, remo, espadas, peixe-espada, martelos, alicate, moto-serra, doces, pás, estilingues, varinhas mágicas, e dezenas de outras “armas” que podem ser encontrados e utilizados. Porém não há muita diferença entre os tipos de armas e a variedade não chega a compensar o combate. O que diferencia uma arma da outra é apenas o visual, tipo de corte e impacto. Existem também as armas de longo alcance, tais como bacamartes e pistolas de doces. Mas a incapacidade de apontar com precisão, tanto a sua eficácia e satisfação, o fará desistir de usar estas armas.

Pelo menos a música não é ruim, apesar de às vezes ficar totalmente fora da atmosfera do jogo. Fairytale Fights oferece modo multiplayer local e online para até quatro jogadores, o que deixa a experiência com os amigos menos dolorosa. Mas por mim, melhor salvar a vida dos seus amigos contando o quão ruim este game é. Poderia ter sido realmente divertido mas, ao invés disso, é repetitivo, sem graça, e não tem uma história que se preze.

SCHiM

Review – SCHiM

Diego CorumbaDiego Corumba15/07/2024
Imagem do review de Anger Foot

Review – Anger Foot

Marco AntônioMarco Antônio11/07/2024