Skip to main content

Catherine: Full Body é como um vinho encorpado, envelheceu tão bem que acabou ganhando um novo sabor que lhe deixou ainda mais atraente. Com uma história mais ampla e complexa o jogo retorna após 8 anos para mostrar aos jogadores novas possibilidades narrativas. E se Vincent Brooks tivesse alguém tão pura que pudesse consolá-lo a ponto de aliviar a pressão que está sofrendo em seu triângulo amoroso. Será que isso ajudaria em suas próximas decisões e o libertaria facilmente de seus pesadelos? Ou isso é a receita perfeita para complicar ainda mais sua situação?

Full Body pode ser considerado uma versão alternativa ou até mesmo um remake do Catherine Classic. Entre muitos puzzles desafiadores, anime e uma narrativa que se constrói através de suas escolhas você também terá muito mais do que a bela implementação de uma nova personagem na história. Também há diversas melhorias visuais e novos conteúdos para conhecer que incluem o multiplayer online.

Experimentando um teste de fidelidade completo

Catherine: Full Body está bastante diferente e até mesmo a apresentadora da Golden Playhouse Trisha está de visual novo. Por outro lado, o jogo parece o mesmo, afinal novamente você vai rever a história amorosa e misteriosa de Vincent Brooks e seu relacionamento turbulento com Katherine e Catherine. Mas e se houvesse mais uma garota na vida de Vincent? É a partir da adição dessas novas entrelinhas que o jogo se torna completamente inédito, e resposta para a pergunta deste parágrafo é a bela participação de Rin, uma inocente garota qual o protagonista ajudará e se tornará amigo.

Imagem do jogo Catherine: Full Body
Saca só o novo visual da Midnight Venus!

Você nem imagina o quanto a simpática Rin acrescenta ao jogo. Além de trazer mais possibilidades narrativas, a garota também possibilitou a vinda de novas cenas em anime, interações no bar Stray Sheep, e até mecânicas diferentes para as fases de pesadelos. Mas o que realmente chama atenção é a implementação natural da personagem no jogo. Confesso que imaginava Rin como se fosse uma DLC que expandia a história, mas para a minha surpresa, ela funciona como uma nova perspectiva, uma situação diferente dentro da mesma história. Desta forma algumas cenas podem ser as mesmas se comparadas à versão anterior, mas ao inserir esse novo contexto a produtora aparentemente refez esses momentos inserindo-a e o resultado é como se ela sempre tivesse feito parte do jogo e você só não tinha percebido.

Os pesadelos de Vincent também estão de cara nova, e claro, mais assustadores. As torres receberam melhorias e novas funcionalidades, agora além de encontrar ou ganhar objetos que auxiliam na sua interminável escalada pelas caixas, você também terá o apoio de Rin, que com toda sua tranquilidade tocará piano quando o personagem estiver em apuros. Assim as caixas levam mais tempo para caírem no precipício ou nas mãos dos monstros.

Para ajudar os jogadores a conhecerem toda a história sem muita dificuldade o jogo inseriu um modo Safety que torna o jogo extremamente fácil permitindo até mesmo pular os puzzles e ir direto para a narrativa, já os demais modos ganharam recursos de assistência que quando ativadas permitem que jogo faça movimentos parciais ou totais da fase por você, é uma boa maneira de escapar daquele quebra-cabeça desafiador, mas a IA vai ignorar todos os itens que houverem pela frente. Os recursos podem aproximar aqueles que torcem o nariz para os desafios, mas que ainda assim desejam conhecer a história de Catherine: Full Body, mas prepare o seu inglês pois a quantidade de diálogos é gigante e o jogo não possui legendas no nosso idioma.

Imagem do jogo Catherine: Full Body
Não é o que você está pesando!

Enfrentando os pesadelos de um jeito diferente

Neste jogo você também pode optar por 2 formas de enfrentar os quebra-cabeças das torres de pesadelo. A primeira é o modo tradicional, no qual os blocos possuem tamanhos normais e com movimentos geralmente limitados a um bloco por vez. Já o Remix é a segunda forma de jogar, neste podem aparecer blocos maiores e com formas incomuns, proporcionando uma experiência diferente e talvez até mais desafiadora. No celular de Vincent, você poderá acompanhar sua pontuação em cada um destes modos e, para incentivar o replay, você poderá refazê-los para ganhar troféus melhores.

Mesmo após 8 anos o bar Stray Sheep continua bastante badalado. Neste local onde você costuma desabafar e beber com seus amigos também há pequenas novidades, o jukebox possui novas músicas para ouvir enquanto papeia com as pessoas, já o jogo arcade Super Rapunzel agora possui muito mais fases dos desafiadores quebra-cabeças para você resolver e claro, agora também há a jovem Rin tocando piano ao fundo do estabelecimento, mais uma vez proporcionando a sensação de que sempre esteve ali.

Imagem do jogo Catherine: Full Body
Com o visual melhorado os pesadelos são mais assustadores.

Catherine: Full Body traz novas fases para os modos Babel e Colosseum, agora ambos estão totalmente desbloqueados já no início do jogo, além disso é possível jogar através do multiplayer on-line ou local. Há também a Arena online onde você poderá participar (ou criar) partidas ranqueadas e casuais.

Os recursos on-line também estão presentes na campanha do jogo, no início do pesadelo dá pra ver as ID de jogador acima da cabeça das ovelhas, as fases vão mostrar quantos já padeceram durante o desafio e qual foi a causa da morte, você também poderá visualizar gráficos que vão apresentar as escolhas dos jogadores para as perguntas que são realizadas na cabine da igreja. Essas informações fazem a experiência ser mais intrigante e você pode se divertir comparando suas respostas com a de outros jogadores ou se preparar para um quebra-cabeça possivelmente mais difícil já que tantos falharam.

Imagem do jogo Catherine: Full Body
Esse bar tem muita história pra contar.

A Atlus fez um trabalho caprichado em Catherine: Full Body, as cenas de anime possuem cores mais vivas e estão mais bonitas, já as fases possuem novos detalhes e efeitos visuais que deixam os cenários e a torre ainda mais atraente. As músicas continuam bastante empolgantes e felizmente durante análise não ocorreram problemas nem bugs, pelo contrário a jogatina está bem fluida em todos os momentos. Talvez a exceção sejam as partidas on-line que por enquanto são extremamente difíceis de encontrar, mas é possível que isso melhore após o lançamento do jogo.

Catherine: Full Body honra o título e oferece uma quantidade absurda de conteúdos, mas não é apenas uma encheção desenfreada e sem sentido. Tudo que foi encaixado está muito bem-adaptado para proporcionar uma experiência alternativa e definitiva que, com certeza continua promovendo uma história de amor polêmica, mas que vale cada minuto de interpretação seja para compreender os diálogos ou solucionar os desafios.

SCHiM

Review – SCHiM

Diego CorumbaDiego Corumba15/07/2024
Imagem do review de Anger Foot

Review – Anger Foot

Marco AntônioMarco Antônio11/07/2024