Skip to main content

Com o lançamento de 30XX, desenvolvido pela Batterystaple Games, a continuação do elogiado 20XX chega com diversas novidades e ideias para tentar inovar a fórmula estabelecida pela franquia Mega Man, com o objetivo de agradar seu público e conquistar novos jogadores.

Nessa tentativa de preencher o vácuo criado pela Capcom, 30XX acerta em cheio no carisma, jogabilidade e proposta, deslizando um pouco ao mesclar gêneros e sacrificando alguns itens básicos para o estilo plataforma.

Não é mega, mas é puro aço

Repleto de sentimento nostálgico e parecendo muito qualquer outro jogo da série criada por Keiji Inafune, 30XX é sinônimo de evolução ao olharmos para o título antecessor e perceber quanto amor por uma franquia foi depositado nesse lançamento, que chega no mês de agosto após dois anos de early access.

30XX
Nossos heróis terão muito trabalho pela frente

Assumindo o papel de Nina, uma androide azul que utiliza seu canhão no pulso esquerdo para disparar feixes de energia, e Ace, um guerreiro com sua armadura vermelha e sua A-Sabre para combate corpo a corpo, você precisará enfrentar oito chefões, conhecidos como Guardiões, para alcançar a nona fase e enfrentar a vilã final do jogo (que não vamos estragar nenhuma surpresa).

Essa dinâmica de ataque próximo ou à distância oferece um dinamismo interessante ao gameplay e acaba escalando ainda mais quando assimilamos os golpes recebidos ao vencermos os chefões, podendo ser atribuído a outros botões e facilitando a execução ao longo dos combates.

Por se tratar de um jogo roguelite, você precisará realizar partidas sem morrer, enfrentando inimigos da maneira mais eficiente possível. Outros itens também poderão ser obtidos durante as fases, seja ao abrir caixas de recompensa por desafios ou mini-chefes ou comprando em máquinas ao utilizar engrenagens. Essas aquisições alteram as habilidades e status dos personagens principais, otimizando sua run em busca da nona fase.

30XX
As fases são belíssimas e a trilha sonora acompanha o alto nível

Para facilitar um pouco a vida dos jogadores, você poderá comprar melhorias para o seu personagem e que são permanentes. Para isso os desenvolvedores criaram as “Memórias”, uma espécie de moeda adquiria ao derrotar os Guardiões das fases e que são mantidos com você mesmo ao morrer, pois eles poderão ser usados no laboratório para melhorar seu ataque, energia, coleta e algumas escolhas ao iniciar as fases.

Muita coragem e personalidade

A Batterystaple Games mostrou ter confiança demais ao trazer para um jogo de plataforma de ação diversas modificações para justificar a inclusão do gênero roguelite, e acredito que a principal seja o modificador de dificuldade. Dentre as 9 fases, dependendo da ordem em que você visitar certo cenário, você terá experiências diferentes ao progredir.

Para ficar mais fácil de entender, caso você visite a Penumbra como uma das primeiras fases, para derrotar o Guardião chamado Absolution, você encontrará inimigos e armadilhas num nível base de dificuldade. No entanto, se você visitar essa mesma fase como sexta, sétima ou oitava, os inimigos terão uma dificuldade maior e comportamento diferente, exigindo uma destreza ainda maior.

30XX
Mesmo desinteressantes, os Guardiões são bem trabalhados visualmente

Como alternativa para equilibrar essa proposta roguelike, que exigirá dedicação e muitas tentativas visitando as mesmas fases diversas vezes, inclusive podendo criar um desgaste e aquele sentimento de repetição exacerbada, temos o Mega Mode como opção para quem quer curtir o jogo de uma maneira menos punitiva.

Muito focado nos iniciantes, esse novo modo retira o fator “perma-death” e, mesmo quando você morrer durante uma partida, seu personagem retornará para o laboratório (hub principal do jogo) sem perder todos os itens e moedas conquistadas. Dessa maneira você poderá reiniciar sua run do início, mas com elementos que facilitarão seu progresso.

Isso só é possível pela geração procedural que as fases possuem, mas ao mesmo tempo é o principal vilão do level design de 30XX. Por conta da proposta randômica que o jogo oferece para trazer fases diferentes em cada nova tentativa, o fator plataforma acaba sendo fraco e até mesmo simplório, quando inevitavelmente comparamos à franquia Mega Man. Os caminhos superiores e inferiores não oferecem desafios ou recompensas diferenciadas, levando sempre ao mesmo destino e sem nenhuma motivação ou punição.

30XX
A gente tenta, mas depois da quinta fase o jogo fica ainda mais difícil

No entanto temos alguns elementos que justificam e compensam o desenho simples de cada fase: Delta, um personagem responsável por oferecer condições especiais como “regras” para cada fase, além de arenas para você cumprir sem sofrer danos. Isso sem contar a “Entropia”, uma máquina que é liberada somente após finalizar uma run completa e que serve para você ajustar a dificuldade das fases.

Diversas horas de diversão e desafio

Para complementar os modos Standard e Mega, você também terá o Community para aproveitar as fases criadas pela comunidade, além do modo co-cop local e online para aproveitar todo esse conteúdo.

30XX exigirá muitas horas dedicadas para você conseguir curtir o jogo em sua totalidade, demonstrando grande preocupação dos desenvolvedores em balancear desafio e a dificuldade para não ser uma experiência frustrante.

30XX
Se o desafio for pouco, a Entropia ou o Delta resolvem essa questão

Quase como um pacote completo que beira a perfeição dentro da sua proposta, temos um resgate do estilo retrô com o excelente trabalho para o design dos personagens, , cenários e inimigos, inclusive com a participação do artista brasileiro Glauber Kotaki, famoso por seu trabalho em Chasm e Rogue Legacy.

Depois de muitas horas, a sensação é gratificante por ter em mãos um jogo com controles precisos, repleto de cores, vida e carisma, além de efeitos visuais muito bem trabalhados, que dão um gosto ainda maior para jogar, sempre ao som de uma trilha sonora que empolga e eleva a sensação de urgência ou perigo que as fases oferecem.

30XX é a prova perfeita de que uma continuação pode ser muito melhor que o seu antecessor, além de mostrar como é possível aprender com sua principal inspiração para oferecer um jogo que preenche o coração dos fãs que acompanham jogos plataforma 2D de ação.

Imagem de Zet Zillions

Review – Zet Zillions

Marco AntônioMarco Antônio23/05/2024
Terra Memoria

Review – Terra Memoria

Vinícios DuarteVinícios Duarte21/05/2024