Skip to main content

Na humilde opinião deste que vos fala, The Last of Us Part II foi um verdadeiro marco nos videogames, em termos de narrativa. Ainda que seja um jogo que dividiu muitas opiniões, acredito que sua trama e a forma como foi contada são impecáveis, deixando muitos filmes hollywoodianos no chinelo. Mesmo com tanta qualidade, eu ainda fui uma das pessoas que torceram o nariz quando anunciaram este remaster – afinal, estamos falando de um jogo que saiu há menos de quatro anos!

Lançado originalmente em 2020, The Last of Us Part II superou expectativas e deu continuidade à franquia de forma memorável, faturando até o título de GOTY daquele ano. Sua versão remasterizada traz gráficos levemente melhorados e compatíveis com o PS5, novos modos para expandir a experiência e alguns extras exclusivos. Nesta análise, focarei apenas no que tem de novo no pacote.

Upgrade gráfico

Se você jogou o original no PS4, provavelmente se lembra bem que o jogo já estava bem bonito. O upgrade gráfico de The Last of Us Part II Remastered aposta mais no desempenho e em resoluções maiores, como vem acontecendo com grande parte dos aprimoramentos desta geração de consoles.

Quem prioriza gráficos poderá jogar em 4K nativo e 30fps, enquanto aqueles que preferem desempenho poderão optar por 60fps constantes em 1440p. Há ainda a opção de framerate desbloqueado, atingindo uma fluidez superior com qualidade dinâmica em televisores compatíveis.

Resumindo: se você não tem uma TV com suporte à 4K e 120fps, vai ter que se contentar com o modo desempenho, que é o único compatível com televisores mais populares. Sendo sincero, já está de bom tamanho, considerando que já é um upgrade considerável na resolução e no framerate.

Novos modos

A principal novidade dentre os modos é o Modo Sem Volta, uma espécie de “Mercenários” do Resident Evil em roguelike. Aqui você escolhe um personagem, entra em um mapa e tem o dever de matar todos os inimigos presentes. A próxima fase sempre é aleatória e o objetivo é chegar até o desafio final, onde enfrentamos um chefe. É tudo bem básico, mas ajuda a estender um pouquinho o tempo de jogatina.

Sendo um roguelike, aqui a morte é definitiva e perdemos tudo, sendo forçados a recomeçar do zero. Semelhante a outros títulos mais populares do gênero, também temos a liberdade de escolher qual o próximo mapa que enfrentaremos, avaliando se as recompensas vão compensar os riscos. No geral, o modo se mantém interessante enquanto existir mais personagens para desbloquear – uma vez que liberarmos todos, perde bastante a graça.

Outra novidade é o Guitar Free Play, que é focado exclusivamente no minigame de tocar violão da campanha. Esse aqui é mais um daqueles modos cujo único propósito é replicar músicas com exatidão e depois se exibir na internet. O modo história também está ganhando uma opção de speedrun, permitindo que os jogadores criem uma competição amistosa de quem termina tudo em menos tempo.

Extras exclusivos

De tudo que está incluso neste pacote, os extras definitivamente foram a novidade que me chamou mais atenção. The Last of Us Part II Remastered conta com bastante conteúdo exclusivo de bastidores, com destaque para os Níveis Perdidos (Lost Levels). Aqui temos a possibilidade de jogar três fases que foram excluídas da campanha principal – tudo com comentários dos devs e do Neil Druckmann.

Achei muito legal explorar esse lado esquecido do jogo e entender o motivo pelo qual essas fases foram cortadas. Não é comum vermos esse tipo de bastidores em videogames, então acaba remetendo bastante aos conteúdos exclusivos de DVDs de filmes, que sempre são bem completos neste quesito. Vale a pena jogar todos os níveis perdidos e ouvir tudo que os devs têm a dizer sobre eles.

O restante dos extras inclui vídeos promocionais e até podcasts completos com os desenvolvedores e o elenco do jogo. Contudo, aqui eles cometeram um erro bem grave, pois disponibilizaram vários podcasts totalmente em inglês e sem legendas. Quem não for craque no idioma não conseguirá aproveitar nada deste conteúdo, o que é uma pena.

Vale a pena?

Tendo tudo isso em mente, fica mais fácil discernir se o pacote de The Last of Us Part II Remastered tem novidades o suficiente para justificar uma nova compra. Para quem nunca jogou, certamente é uma baita oportunidade de conhecer um dos melhores jogos da geração passada – e o melhor: ele não está sendo vendido a preço cheio, então acaba sendo ainda mais vantajoso.

Para aqueles que já possuem a versão digital no PS4, é possível fazer um upgrade pago por R$ 50. Considerando o valor baixo, até que vale a pena realizar esse investimento, principalmente se você planeja rejogar a campanha. Considerando que o modo multiplayer foi cancelado, essa provavelmente será nossa despedida definitiva com as desventuras de Ellie e Abby… até que um novo remaster seja lançado no PS6.

80%


Prós:

🔺 Resolução e desempenho aprimorados
🔺 Modo Sem Volta consegue estender a jogatina em algumas horas
🔺 Traz diversos extras de bastidores, incluindo fases jogáveis
🔺 Agora dá para tocar violão à vontade

Contras:

🔻 O Modo Sem Volta não demora para se tornar repetitivo e enjoativo
🔻 Os novos modos são simples demais e não funcionam como adições de peso
🔻 O upgrade gráfico só é realmente perceptível em TVs mais avançadas
🔻 Os podcasts disponibilizados nos extras não têm legendas

Ficha Técnica:

Lançamento: 19/01/2024
Desenvolvedora: Naughty Dog
Distribuidora: Sony Interactive Entertainment
Plataformas: PS5

Review – Ruff Ghanor

Rafael NeryRafael Nery27/02/2024

Review – Penny’s Big Breakaway

Renato Moura Jr.Renato Moura Jr.27/02/2024