Skip to main content

Quase duas décadas depois de Super Princess Peach, lançado exclusivamente para Nintendo DS, a Big N resolveu aproveitar o hype da adaptação cinematográfica de Super Mario Bros para trazer Princess Peach: Showtime!, colocando uma das princesas mais adorada dos games sob os holofotes do Nintendo Switch.

Com foco num público mais casual, a Good-Feel desenvolveu um jogo que consegue ser mais fácil que os jogos da principal franquia da Nintendo, porém complementou o gameplay com diversas experimentações de mecânicas que, assim como Super Mario Wonder, subvertem o estilo plataforma que os fãs já conhecem.

Um espetáculo de jogo

No papel da Princesa Peach, vamos à ilha do Teatro Esplendor para conhecer espetáculos repletos de sonhos e mistérios em diferentes mundos. No entanto o plano da maléfica Rubi, da Trupe Uvaparsas, acaba atrapalhando a viagem da princesa ao sequestrar os protagonistas e colocar os espetáculos sob controle de seus lacaios. A partir desse plot, precisaremos entrar em cada mundinho para vivenciar o papel principal de cada uma das peças teatrais.

Princess Peach: Showtime!

Para restabelecer a ordem, Peach contará com Estela, a fada do esplendor e a responsável por “cuidar” do teatro. Com a fita e o poder da estrelinha falante, nós precisaremos nos tornar a protagonista de cada mundo para salvar os Esplendoristas, artistas de cada peça, e colocar fim ao plano maligno de Rubi. Recebendo o poder de cada espetáculo e contando com a ajuda dos Ribaltinos, habitantes desse mundo mágico, nós vamos experimentar diversas maneiras de jogar através de um mesmo tipo de controle.

A Good-Feel fez um trabalho incrível na construção das mais de 30 fases. Divididas em mais de dez mundinhos, Princess Peach: Showtime! consegue transportar o jogador para cenários coloridos e ricos em detalhes, capazes de criar uma boa imersão por representar cenários de teatro. Temáticos e com customização em todos os elementos, os desenvolvedores se preocuparam em retratar as áreas como se fossem cenografias e adereços teatrais, com cabos e painéis chapados de madeira e papel.

Princess Peach: Showtime!

Do velho oeste ao oriente, passando pelo fundo do mar e indo ao espaço, temos todos os tipos de locais para visitar, com personagens e inimigos caracterizados conforme o espetáculo exige. O mesmo vale para a princesa Peach, que recebe um novo figurino a cada peça teatral que visita, tendo três atos (assim como a estrutura de narrativa teatral) para vencer até resgatar o Esplendorista.

Se em Super Mario Wonder a preocupação era criar um mundo vivo e extremamente expressivo, Princess Peach: Showtime! segue a mesma regra e mostra que a Nintendo está entregando o melhor do Switch no final da vida do console. Todos os personagens são extremamente carismáticos e as animações em seus movimentos ou expressões são muito bem trabalhadas, levando o jogo para um nível superior ao que já conhecíamos da franquia. Tudo parece ter vida!

Princess Peach: Showtime!

Com muita cor, sequências animadas para as transformação ou momentos épicos durante os atos de cada espetáculo, a direção de arte brilha ao construir uma princesa como personagem de muitas facetas e capaz de encarar qualquer tipo de desafio. Inclusive conseguiremos customizar o vestido rosa da protagonista e o laço da Estela, criando uma versão própria do jogador para uma personagem que desconstrói aquela donzela em perigo que precisa ser resgatada por Mario.

Hora de trocar os figurinos

Mesmo com um nível de dificuldade baixo, Princess Peach: Showtime! consegue entregar um bom gameplay por conta da variação de estilo na maneira como podemos jogar. Como se fossem “profissões”, nós vamos assumir o papel de uma espadachim, ninja, vaqueira, confeiteira, gatuna, patinadora, detetive, super-heróina, sereia, lutadora marcial e a própria Peach, com sua versão normal ou deslumbrante, com diferentes estilos de jogabilidade.

Princess Peach: Showtime!

Sempre utilizando um botão para pulo e outro para ataque ou a habilidade especial do figurino, temos algumas versões com foco no combate, enquanto outros buscam a exploração do cenário. No entanto teremos mundos que vão trabalhar a habilidade motora do jogador, como a cozinheira e os mini-games de fazer bolo ou bolachas, além de outras que simulam jogos shoot ‘em up, seja com tiro, soco ou laço de cowboy.

Cada fase apresenta um cenário novo ou renova algo visitado anteriormente, expandindo o que já conhecemos do level design, além de explorar a verticalidade com colecionáveis escondidos pelo cenário ou até mesmo na resolução de puzzles e com o botão de pose (R1), acessando o backstage de cada peça em pontos especificos sempre sinalizados por holofotes. Tudo para que Peach possa percorrer cada local reunindo as Esplendoritas, pequenas estrelas que restauram o poder de Estela, além do protagonista de cada espetáculo.

Princess Peach: Showtime!

Ao recuperarmos o poder do esplendor, Estela conseguirá abrir as portas que levam até Rubi. Dividido em cinco andares, com quatro mundos em cada, nós precisaremos reunir mais de 100 estrelas para conseguirmos enfretrar os quatro chefões e Rubi, a vilã do jogo e chefe final. Cada batalha contra boss vai colocar a princesa em seu visual padrão, contando apenas com o poder do esplendor, em mecânicas totalmente diferente do que conhecemos nas fases e exigindo atenção do jogador.

Mantendo o padrão da Nintendo, cada chefe possui três fases para ser derrotado, mas que inicia sem qualquer informação, nos obrigando em compreender que tipo de inimigo estamos enfrentando e a maneira como ele se comporta. Contando as lutas contra chefes, Princess Peach: Showtime! consegue oferecer cerca de 12 mecânicas variadas, não necessariamente novas, durante toda a jornada pelo Teatro Esplendor.

Interessante e divertido para todos

Enquanto eu jogava, minha esposa acompanhava ao lado com comentários como, por exemplo, “se eu fosse criança, com certeza eu estaria maravilhada em ver a Princesa Peach como protagonista”, e acredito que a principal função desse jogo seja dar acesso aos games para um novo público, principalmente o feminino.

Princess Peach: Showtime!

Para quem busca mais desafio, após terminarmos o jogo algumas novas condições e coletáveis dentro de cada fase são adicionados, como vencer um chefão sem tomar dano. O que justifica a escolha por um desafio menor, abrindo espaço para uma personagem se tornar protagonista e ser o principal atrativo para pessoas que jamais sentiram vontade de jogar. Criticar Princess Peach: Showtime! pela falta de desafio é um erro imenso, pois a variedade, criatividade e carisma desse jogo compensa cada minuto investido.

Você pode aumentar o desafio ao tentar completar o camarim da Peach, desbloqueando e comprando todos vestidos ou fitas, além de conquistar todas as Estrelitas em cada fase para receber as fotos que serão agrupadas no seu álbum. Enquanto você corre atrás disso tudo, o jogo reune em sua coleção os figurinos, músicas e cenas de toda a jornada, para você conferir como um apêndice.

Princess Peach: Showtime!

Mesmo sendo curto em sua história principal, com aproximadamente seis horas de duração, a Good-Feel conseguiu entregar um jogo divertidíssimo e que eu não conseguia parar de jogar. O sentimento de “só mais uma fase” para ver qual figurino eu encontraria e como mudariam o gameplay eram as principais motivações. Adicione isso ao visual repleto de cores e vida, com uma trilha sonora digna de um espetáculo musical, e Princess Peach: Showtime! conseguirá criar um espaço quentinho em seu coração, com boas lembranças de um excelente jogo.

92 %


Prós:

🔺 Criatividade na construção de mundo
🔺 Diversidade de gameplay
🔺 As mecânicas das fases para cada figurino
🔺 Um espetáculo visual e sonoro para todos os públicos e idade
🔺 Boa quantidade de coletáveis e colecionáveis ao longo do jogo

Contras:

🔻 Infelizmente o jogo é muito curto
🔻 Faltou um modo “time attack” ou com níveis de dificuldades diferentes após o final

Ficha Técnica:

Lançamento: 22/03/24
Desenvolvedora: Good-Feel
Distribuidora: Nintendo
Plataformas: Switch

Imagem de Children of the Sun

Review – Children of the Sun

Marco AntônioMarco Antônio09/04/2024
imagem de Ereban: Shadow Legacy

Review – Ereban: Shadow Legacy

Marco AntônioMarco Antônio09/04/2024