Skip to main content

Quase 18 anos após o lançamento do original, a Atlus traz Persona 3 Reload não apenas como uma nova forma de trazer sua história e desdobramentos para uma nova geração – mas também para atualizar os fãs de como seria aventuras como esta se fossem lançadas em videogames mais recentes.

E posso afirmar para vocês que este objetivo eles acertaram em cheio. Trazer o remake para os consoles modernos e PC dá um novo respiro para estes personagens e tudo o que viveram. Para ser bem honesto, tudo isso ainda é multiplicado pelo tratamento recebido no Brasil com a tradução do JRPG para a linguagem PT-BR, permitindo que todos no país consigam se divertir neste título.

Recriando Persona 3

Para estabelecermos um limite neste review, vale atentar que mesmo que Persona 3 Reload seja carregado na categoria “remake”, ele soa mais como um “remaster” completo – algo semelhante ao que vimos em Shadow of the Colossus no PlayStation 4 e The Last of Us Part I no PlayStation 5.

Isso significa que, apesar de termos algumas mudanças pequenas em suas mecânicas ou no desenvolvimento de alguns relacionamentos com os personagens, sua intenção é se manter fiel aos padrões estabelecidos pela Atlus em 2006. Ou seja, não espere uma reinvenção completa da roda ou ver ambientes/dungeons sendo reimaginadas para a nova versão – tudo segue da mesma forma.

Persona 3 Reload

Com isto dito, os jogadores que se aventuraram no último port de P3P para os atuais consoles não sentirão diferenças impactantes ou algo que justifique as mais de 100 horas que passará na jornada – óbvio, além de algumas diferenças na história, como visto em P5 e P5 Royal.

“Em todos os aspectos, Persona 3 Reload é tudo o que os fãs pediram”

No entanto, em todos os aspectos, Persona 3 Reload é tudo o que os fãs pediram e é o combustível perfeito para incendiar ainda mais as discussões de qual é o melhor: este ou Persona 5. Os movimentos de vantagem, novas animações, a abertura inédita e tudo o que eles se propõem a trazer não serve apenas como uma modelagem moderna, mas também como a forma de dizer que esta será a edição definitiva da história.

Admito que me surpreendeu bastante um game que saiu inicialmente no PlayStation 2, com jogabilidade da época e com tão poucas adições me deixou tão preso no sofá enquanto analisava a obra. Claro que a história e ser um JRPG já carregam um grande apelo por si só, mas ver que a Atlus ainda teve o carinho de adaptar diversas cenas e animar de forma boa grande parte delas foi prazeroso demais.

Uma aventura macabra

Caso esteja caindo de paraquedas e não saiba do que Persona 3 Reload ou o original se trata, não tem problema. No papel de um jovem que acabou de se mudar, você se depara com a Hora Sombria – um evento que ocorre apenas quando o relógio bate meia-noite e traz diversas criaturas para as ruas e para uma construção abissal chamada de “Tártaro”. Seu dever, lógico, será exterminá-las.

Com um elenco riquíssimo de personagens secundários, um clima mais do que sinistro e diversas histórias paralelas se conectando, eu diria que neste aspecto a aventura conseguiu me deixar ainda mais imerso do que estive em P5. Os mistérios que cada membro da sua equipe leva consigo também é um bom motivador para quem busca entender melhor como funciona a mente humana.

E para quem jogou o JRPG anterior da Atlus também, uma das grandes vantagens que temos aqui é a completa ausência de Morgana mandando você dormir em Persona 3 Reload. Temos outros personagens chatos aqui e ali, mas pode confiar que não são o suficiente para te deixar com ódio e desejar nem ouvir sua voz durante a jornada.

Persona 3 Reload

Evolução em certo nível

Ainda que estejamos presenciando um grande salto do PS2 para a geração atual de videogames, o titulo não traz novidades e mecânicas que foram vistas em outros games da franquia – como P5 Royal, que teve a adição de “Showtimes” para mostrar combos diferentes ou interação maior com os cenários. Neste ponto, onde o “remake” se justifica, é onde a experiência realmente falha.

Sim caros leitores, eu sei que Persona 3 Reload foi produzido para ser uma recriação exata do terceiro jogo da saga. Porém, alguém aqui reclamaria de uma novidade ou outra? Ou que aproveitassem melhor os novos videogames para trazer algo bacana? Pois é, eu também não.

Se botarmos em comparação com outros games que seguem o tratamento de “remake”, não termos muitas novidades impacta aqueles que esperavam um bom motivo para retornar à base da S.E.E.S. que não fosse apenas seus gráficos.

O caminho de Persona 3 Reload

Ainda que acima você veja a minha maior reclamação sobre Persona 3 Reload, ainda acho que trazê-lo de volta é incrível e gostaria de ver outros jogos da saga vindo da mesma forma. Quem sabe façam com P4 no futuro, não é? Jogá-lo me deixou bastante empolgado e trouxe de volta um tipo de experiência com RPG que sinto falta desde que finalizei minha jornada em Persona 5.

Persona 3 Reload

Mesmo que tenhamos diversos pontos que mereçam destaque para os desatentos, também vale notar que a aventura faz diversas referências à depressão, violência, suicídio e outros temas que vão pesar bastante conforme você avança. Caso qualquer elemento disto te dê gatilho (momentaneamente ou de forma mais traumática), recomendo que se afaste dele até obter a devida ajuda. Os outros também tem, mas nenhum é tão ousado ao ponto de mostrar os heróis diversas vezes apontando armas à cabeça.

Outro diferencial, este para nós brasileiros, é a sua completa tradução para a linguagem português. Você não verá uma dublagem, mas este salto foi muito bem-posicionado e ajuda bastante a se aprofundar na trama – mesmo para aqueles que entendem o inglês com naturalidade. A SEGA e Atlus estão de parabéns por se atentarem ao mercado nacional e trazer algo adaptado ao nosso idioma.

Mergulhem na experiência

Eu sei que acabou de sair Like a Dragon: Infinite Wealth e Final Fantasy VII: Rebirth está logo ali, ambos RPGs grandiosos e que tem chances reais de levarem o prêmio como o melhor do gênero em 2024. No entanto, eu não recomendaria que descartassem Persona 3 Reload de suas considerações. Pode não estar imerso de novidades, mas segue o mesmo nível de qualidade visto em P5 e isto não é pouca coisa.

Além disso, o game também serve como uma bela homenagem aos anos 2000. Para quem não se recorda, a aventura se passa no fim desta década e traz diversos itens que fizeram parte daquela geração como as TVs de tubo, os DVD Player, os MP3 e vários outros itens que servem como uma verdadeira viagem no tempo para quem sente falta daquela época.

Persona 3 Reload

Particularmente falando, Persona 3 Reload não é perfeito, mas foi uma grata surpresa neste início de 2024 e merece não apenas a atenção dos fãs mais velhos da franquia – mas também dos novos que se interessam em boas histórias e em ver como algumas delas não envelhecem tão mal quanto se imagina.

90%


Prós:

🔺 Uma excelente recriação de uma experiência clássica
🔺 Graficamente esplêndido
🔺 É a prova que alguns JRPGs não envelhecem mal
🔺 História excelente, personagens riquíssimos e animações que tiram o fôlego

Contras:

🔻 Não traz nenhuma novidade fora dos visuais
🔻 Tem diversos gatilhos como violência, suicídio e depressão

Ficha Técnica:

Lançamento: 03/02/2024
Desenvolvedora: Atlus
Distribuidora: SEGA
Plataformas: PS4, PS5, Xbox One, Xbox Series e PC
Testado no: PS5

Review – Ruff Ghanor

Rafael NeryRafael Nery27/02/2024

Review – Penny’s Big Breakaway

Renato Moura Jr.Renato Moura Jr.27/02/2024