Skip to main content

Quando criança, meu passatempo era jogar jogos de Megadrive no em um emulador que meu pai havia me dado de presente. Lá, dois dos meus jogos favoritos eram Aerobiz Supersonic e Gemfire, pois eram jogos que envolvem gerenciamento. Além do escopo, a outra semelhança entre esses dois títulos é que eles foram feitos pela Koei, a mesma empresa responsável por Nobunaga’s Ambition: Awakening, o título mais novo de uma franquia, assim como os jogos citados anteriormente, é bem antiga. 

Em Nobunaga’s Ambition: Awakening, você jogará no Japão durante o século XVI, tendo como objetivo unificar a ilha. Trata-se, assim como os primeiros títulos, de um jogo de estratégia, mas será que hoje, com concorrentes como os jogos da Paradox e a franquia Total War, a fórmula da Koei ainda funciona? É bem verdade que a Paradox tentou – e falhou – explorar a mesma época com Sengoku, mas acabou aperfeiçoando a fórmula em Crusader Kings II. Total War: Shogun II, entretanto, aborda o mesmo período e é, hoje, considerado um dos melhores jogos da franquia. O que Nobunaga’s Ambition: Awakening poderia acrescentar ao gênero? 

Uma jornada pelo Japão

Se você é apaixonado pelo período Sengoku, Nobunaga’s Ambition Awakening certamente capturará sua atenção. Você terá muitos eventos familiares à sua disposição, onde eles  capturam esse período histórico de forma cativante.

Nobunaga's Ambition
Nobunaga e sua grande ambição: unificar o Japão

Para os entusiastas de jogos de estratégia e não familiarizados com esse tipo de jogo, talvez esse título não seja tão profundo como os outros do gênero, como os já citados jogos da Paradox e da franquia Total War. No entanto, se você aprecia um jogo de estratégia simples, porém divertido, acredito que pode aproveitar essa experiência.

Nobunaga’s Ambition: Awakening possui muitos títulos, sendo este o décimo sexto. Muitos comparam esse jogo com o Nobunaga’s Ambition: Sphere of Influence, considerado um dos melhores da série. Antes, eu não gostava de Sphere of Influence – e, para ser bem sincero, nunca fui fã da franquia –, mas muitas pessoas podem preferir o título anterior a esse. Se você é novo na série, talvez seja melhor tentar outro jogo.

Jogabilidade e design

Nobunaga’s Ambition: Awakening surpreende, de início, com o mapa. São mais de 200 castelos espalhados pelo Japão, e você não precisa conquistá-los todos. Caso queira, você pode optar por tomar apenas metade e o jogo oferece essa opção de game over. É certamente uma opção para quem está cansado do loop da jogabilidade e deseja encerrar logo a campanha.

A gestão de recursos do jogo é boa. Não é perfeita, mas pelo menos é divertida. Diferente do título anterior, você pode aprimorar muitos edifícios e há uma boa gama de opções. O nível de complexidade não se compara a Total War: Shogun II, mas é um bom começo e, também, algo mais simples.

Nobunaga's Ambition
Vendo a imagem dá até para lembrar de Total War, mas a jogabilidade é muito diferente

A inteligência artificial no mapa é boa para os padrões da série, mas ainda possui deficiências. Os desenvolvedores optaram por simplificar o combate, colocando-o preso em linhas pré-determinadas pelo mapa, onde tais linhas determinam os caminhos que suas tropas podem percorrer. O fator estratégia diminui bastante com essa limitação, e os combates ocorrem com o encontro de duas tropas no mapa, mas parece que não há muitas opções para influenciar a batalha. Em alguns momentos, as tropas receberão bônus de defesa e ataque – bem como penalidades –, além de conseguirem receber bônus especiais relacionados à conquista de algum território chave na batalha ou através da destruição de alguma unidade inimiga.

Sendo bem cauteloso, dá para vencer as batalhas tranquilamente. Como dito, esse não é um jogo que foca na complexidade, e a mudança para linhas estáticas de movimento parece ter contribuído ainda mais nessa simplificação.

Entre o simples e o simplório

Além das batalhas, outros sistemas se mostram bem simplificados. O sistema diplomático, por exemplo, lhe permite manter alianças com outros clãs, dando-lhes presentes e outras coisas. É possível pedir que eles tomem castelos por você sem enviar seu exército e com esforço mínimo. Porém, você só pode chamar um aliado para a guerra, o que é, no mínimo, frustrante.

O sistema dos castelos também é bem esquisito. Você pode aumentar o HP dos castelos implementando algumas políticas e construir apenas um edifício para sua defesa. Além disso, não é possível construir novos castelos, e a profundidade, pelo que pesquisei e li de outros jogadores, além de não se comparar aos concorrentes, também não é a mesma dos jogos anteriores.

Nobunaga's Ambition
É hora do duelo!

Você não pode transferir dinheiro entre províncias e há poucas opções para gerenciá-las. Além disso, a inteligência dos regentes não é boa. Você, quando conquista um castelo, pode nomeá-los para cuidar de assuntos gerenciais, reduzindo o microgerenciamento. Entretanto, as decisões tomadas por eles parecem não ser as melhores, e você provavelmente achará que faria um trabalho muito melhor caso as controlasse manualmente.

Veredito e futuro

Apesar de ter passado por várias atualizações – incluindo uma que permite ao jogador colocar a dublagem em japonês –, creio que Nobunaga’s Ambition: Awaking ainda deixa a desejar. A relativa simplicidade, porém, pode ser um fator que anima os jogadores não tão experientes no gênero, mas a maneira que a interface é apresentada deixa a desejar bastante, podendo assustar esses mesmos jogadores.

O tutorial, apesar de tentar, é bem maçante e chato, e você provavelmente acabará entediado, passando os textos sem entender muita coisa. Há, porém, vários detalhes históricos que dão vida ao jogo, como, por exemplo, os eventos históricos e as cenas que relatam a história do Japão feudal.

Se você gosta desse período da história do Japão e, também, tem apreço por jogos de estratégia, essa é uma boa pedida. Só não posso recomendar o jogo porque, infelizmente, o preço é bem salgado. Caso esteja pensando em comprá-lo, coloque na balança o seu amor pelo Japão feudal, o seu amor por jogos de estratégia e, mais importante, o seu amor pela sua saúde financeira. Se o último elemento dessa balança pesar somente um pouco acima de qualquer um dos outros dois elementos, então eu lhe recomendo utilizar o seu dinheiro para algo melhor.

70%


Prós:

🔺 Boa ambientação
🔺 Trilha sonora boa
🔺 Combate e gerenciamento simplificado
🔺Eventos históricos


Contras:

🔻 IA fraca
🔻 Tutorial maçante
🔻 Interface precária

Ficha Técnica:

Lançamento: 20/06/23
Desenvolvedora: Koei Tecmo
Distribuidora: Koei Tecmo
Plataformas: PC

Review – Ruff Ghanor

Rafael NeryRafael Nery27/02/2024

Review – Penny’s Big Breakaway

Renato Moura Jr.Renato Moura Jr.27/02/2024