Skip to main content

Os clones de Super Smash Bros. seguem firmes e fortes! O jogo da vez retoma os famosos personagens da Nickelodeon em uma pancadaria desenfreada e muito melhor do que foi visto em seu primeiro título. Lançado originalmente em 2021, Nickelodeon All-Star Brawl não era um título muito interessante e, apesar de entregar um gameplay decente, falhava em diversos aspectos.

Em apenas dois anos, o estúdio Fair Play Labs fez um trabalho notável, que não é tão comum quanto parece. Os devs realmente escutaram a comunidade e trouxeram uma sequência que melhora absolutamente tudo que era falho no primeiro. Nickelodeon All-Star Brawl 2 ainda não é o sucessor absoluto de Smash Bros., mas com certeza entrega uma experiência melhor do que qualquer um de nós poderia esperar.

Novos personagens

Se você passou os últimos 24 anos morando em uma caverna e não sabe o que é Super Smash Bros., vamos a um breve resumo. Assim como este grande clássico da Nintendo, Nickelodeon All-Star Brawl 2 é um jogo de luta em plataforma, onde dois ou mais personagens se enfrentam em uma grande pancadaria generalizada. O objetivo é derrubar os oponentes nos abismos, sempre na base da porrada. Ganha quem lançar os adversários mais vezes.

De boa na lagoa

A primeira mudança notável nesta sequência é o elenco de personagens. All-Star Brawl 2 traz 25 personagens no jogo base, sendo que 14 retornam do primeiro e 11 são novidade. Os novatos incluem alguns rostos icônicos como Jimmy Neutron, Raphael e Donatello (Tartarugas Ninjas), Lula Molusco e até a Vovó Gertie de Hey Arnold! Para alguns, pode parecer algo negativo o fato de terem removido 11 personagens do elenco original, mas acredito que essa seleção ficou com muito mais qualidade.

Um dos maiores problemas do primeiro jogo era que os personagens não conseguiam apresentar grandes particularidades entre si. O elenco renovado consertou essa questão e melhorou consideravelmente todo o leque de movimentos de cada lutador, trazendo golpes repletos de referências aos seus respectivos desenhos e um sistema de combos bem mais satisfatório. Assim como em Smash, cada personagem é único e super interessante de se explorar e aprender a jogar!

Um homem com seu Raphael não quer guerra com ninguém

Outra novidade aqui foi a adição da barra de slime – afinal, não existe Nickelodeon sem slime. Conforme vamos lutando, uma barrinha de meleca verde vai se enchendo aos poucos, permitindo realizar uma série de ações como atacar com mais potência, melhorar sua defesa e, ao encher por completo, soltar um especial devastador. Isso trouxe um dinamismo completamente novo para as batalhas, abrindo espaço para reviravoltas emocionantes no multiplayer.

Modo História

Além dos novos personagens, a segunda maior novidade de Nickelodeon All-Star Brawl 2 foi a adição do Modo História, que mistura diversos elementos das campanhas vistas em jogos semelhantes para construir algo mais autêntico. Apesar de ter uma historinha boba envolvendo o vilão Vlad Plasmius (da animação Danny Phantom) e o Bob Esponja viajando pelo multiverso, o destaque aqui vai para a forma como construíram essa jornada.

A batalha do século

Basicamente, esse modo é um roguelite. Em cada fase enfrentamos uma sequência de três desafios diferentes e um chefe, tudo definido aleatoriamente (com exceção do chefe, que já é pré-definido pela fase). Esses desafios podem ser batalhas tradicionais ou pequenos percursos de plataforma, bem no estilo mais clássico de um jogo de aventura. Eu gostaria de ter curtido mais essa parte, mas achei essas fases mais frustrantes do que divertidas – principalmente porque todo o dano que você leva nelas é carregado para o próximo combate. As mecânicas de pulo funcionam bem nas lutas, mas quando o foco é só nelas, o bicho pega.

A princípio, começamos apenas com o Bob Esponja, mas conforme enfrentamos novos personagens, é possível desbloqueá-los para jogar dentro da história. A parte mais legal disso tudo são os upgrades que podemos liberar em cada um, funcionando como perks. É possível ter um lutador com os mais diversos atributos, desde combos que envenenam o adversário até golpes que recuperam seu HP. Não me lembro de ter jogado nenhum roguelite em um jogo de luta anteriormente, então achei essa ideia bem inovadora e original – ainda que se apegue a outros elementos já vistos nas campanhas da franquia Super Smash Bros.

As ruas de Nova York nunca mais serão as mesmas

O restante do pacote é basicamente o mesmo do jogo anterior, mas com um visual mais bonitinho e bem polido. São os mesmos modos, tanto para o singleplayer quanto para o multiplayer – o que não é lá essas coisas, já que o singleplayer do primeiro era bem fraco. Não posso deixar de elogiar o modo online, que está bem liso e tranquilo de jogar, sem nenhum tipo de problema de conexão que atrapalhe nossa performance (algo fundamental em um título do gênero).

Nickelodeon All-Star Brawl 2 não deixa de ser mais do mesmo, mas quando comparado com seu antecessor, ele brilha e muito! É um título para todas as idades e divertido para qualquer um que tenha acompanhado algum desenho do canal durante a infância. Uma coisa eu posso garantir: você nunca poderá jogar com o Bob Esponja em um Super Smash Bros., então essa é a sua chance.  

82 %


Prós:

🔺 Elenco de personagens renovado e mais interessante
🔺 Cada personagem traz um gameplay realmente único
🔺 Modo história é mais interessante do que aparenta
🔺 Mecânicas de slime dinamizam mais os confrontos

Contras:

🔻 Tirando a campanha, os outros modos singleplayer não são muito interessantes
🔻 Trechos de plataforma podem ser um pouco frustrantes
🔻 Ausência de vários personagens do primeiro jogo

Ficha Técnica:

Lançamento: 07/11/23
Desenvolvedora: Fair Play Labs
Distribuidora: GameMill Entertainment
Plataformas: PS4, PS5, PC, Xbox Series, Xbox One, Switch
Testado no: PS5

Imagem de Zet Zillions

Review – Zet Zillions

Marco AntônioMarco Antônio23/05/2024
Terra Memoria

Review – Terra Memoria

Vinícios DuarteVinícios Duarte21/05/2024