Skip to main content

Me impressiona que, mesmo com todo o sucesso de Ghostbusters tendo ficado lá na década de 1980, até hoje a indústria de videogames continua sendo bem generosa com a franquia. O cinema já provou que não consegue rebootar nem trazer de volta a fórmula de ouro que cativou tanta gente há 38 anos, mas nos games, os Caça-Fantasmas já deram as caras em alguns jogos que surpreenderam bastante.

Ghostbusters: Spirits Unleashed é a nova tentativa da vez, dessa vez de autoria da Illfonic, que também fez Arcadegeddon. O jogo segue a fórmula de títulos multiplayer no estilo Dead by Daylight, onde quatro jogadores assumem os Caça-Fantasmas e um lobo solitário fica no controle do próprio fantasma. O resto é bastante óbvio: enquanto o espírito deve sair assombrando o local, os outros devem caçá-lo. Depois que joguei isso, a única coisa que vinha na minha cabeça era “como ninguém tinha pensado nisso antes?”.

Trabalho para um profissional

Spirits Unleashed tem um pequeno projeto de enredo para tentar dar o mínimo de profundidade aos acontecimentos, o que me pareceu completamente desnecessário; essa historinha está ali mais para explicar o que são os Ghostbusters para quem nunca viu o filme do que para enriquecer o jogo. Aqui você assume o papel de um novo caçador que está prestes a iniciar sua carreira e, na hub do game, terá a oportunidade de interagir com alguns rostos conhecidos do longa de 1984, como o Ray e o Winston (que agora é o chefão da operação).

Ghostbusters
Olhe ele aí!

O gráfico do jogo é bem cartunizado e as texturas até lembram um pouco Arcadegeddon, porém levemente adaptadas para ficar com mais cara de Ghostbusters. Sendo assim, os personagens não são idênticos aos atores que os interpretaram, mas até aí tudo bem. O problema mesmo é que parece que, pelo menos nesta versão de review que nos foi fornecida, o jogo está incompleto! Nenhum dos diálogos entre os personagens principais estavam com áudio (o que achei bizarro, pois falta pouco para ser lançado), o que provavelmente já estará corrigido até o lançamento, mas por causa disso não pude ter um gostinho de como está a dublagem.

As únicas vozes que ouvi durante o jogo foram as dos personagens que controlamos, que são completamente genéricas, e umas frases soltas que os NPCs espalhados pelo mapa soltam vez ou outra. Não sei se a versão final estará dessa forma, mas todos os NPCs tinham a mesma voz (sendo uma para homens e outra para mulheres) e falavam sempre a mesma coisa. Eu espero muito que isso seja corrigido a tempo porque estava bem tosco – sem falar na qualidade da voz dos bonecos, que parecia ter sido gravada com um microfone daqueles bem humildes.

Acharam que eu não iria perceber, né?

O capricho nos modelos de personagens também ficou somente nos principais e no seu avatar, porque esses NPCs são pra lá de genéricos. Ninguém aqui tem expressão facial, então já era de se esperar que eles não tivessem, mas quando eles começam a ser assombrados, acontece uma tentativa horrível de simular uma feição de medo – é de dar arrepios. Isso sim é assombração!

Pega-pega assombrado

A primeira coisa a fazer é criar seu caçador, que no começo não tem muitas opções de visuais, mas conforme você joga, vai liberando novas roupas e upgrades – afinal essa é a única progressão do jogo, pois ele é focado em multiplayer e não tem fim. Você pode jogar online com mais três amigos ou com BOTs e devo dizer que o desempenho dos BOTs me surpreendeu. É claro que nada supera a interatividade e estratégias proporcionadas pelo multiplayer, mas a inteligência artificial do jogo faz um bom trabalho, realiza os objetivos de forma satisfatória e não te deixa na mão.

A meleca dos fantasma deixa seu caçador mais lento

Como caçador, seu objetivo é destruir três fendas para impedir que o fantasma continue respawnando e, só após isso, capturá-lo de vez. Isso pode ser feito procurando os portais pelo mapa ou capturando o fantasma três vezes (cada tentativa bem-sucedida destrói uma fenda). Na quarta e última vez, o espírito é eliminado e os Caça-Fantasmas vencem. Do outro lado, o objetivo do fantasma é assombrar o lugar até encher 100% da barrinha e isso pode ser feito assustando os civis espalhados pelo mapa, possuindo objetos e causando o caos por aí. Se o quarteto não conseguir eliminá-lo antes dos 100%, o espírito vence.

O ato de caçar o fantasma é bem mais divertido quando jogado online, pois a IA dos monstros é meio limitada. É sempre muito fácil encontrá-los vagando pelo mapa e não existe estratégia alguma em suas ações, eles simplesmente atacam ou fogem aleatoriamente. Assim como no filme, para capturá-lo você deve plantar uma armadilha no chão e arrastar o espírito até ela com sua arma de partículas, o que é bem legal. O problema foi que achei o singleplayer um pouco roubado para os Ghostbusters, pois as partidas são longas e dão tempo de sobra para os caçadores capturar o monstro quatro vezes. Mesmo com BOTs, é fácil demais.

Os fantasmas são altamente apelões no modo online

Por outro lado, jogar de fantasma é bem mais legal! Você pode possuir praticamente qualquer objeto no mapa e usar meia dúzia de habilidades exclusivas do seu monstro (no começo só tem um, mas você vai liberando outros depois). É possível invocar minions para atrapalhar os caçadores, sujá-los com meleca e fazer tudo que as principais criaturas que aparecem no filme sabiam fazer, então é um gameplay bem nostálgico e divertido para quem curte a franquia.

O modo online acaba invertendo o desbalanceamento e são os espíritos que ficam OP, pois seu excesso de habilidades e a capacidade de voar por grandes alturas torna praticamente impossível pros caçadores prendê-lo com suas armas de partículas. Esse jogo precisa de um balanceamento urgente!

No demais, Ghostbusters: Spirits Unleashed é um “Dead by Daylightlike” bem decente e até mesmo divertido, especialmente para quem é fã do filme. Definitivamente é um jogo para se jogar com amigos, então o melhor seria combinar com a galera de comprar juntos e aproveitar em grupo. Jogar com BOTs pode ser bem enjoativo, principalmente devido à simplicidade do pacote que, pelo menos nesta versão inicial, carece um pouco de conteúdo. Se este título será atualizado com coisas novas gradativamente, ainda não sabemos, mas pelo menos a versão de PC está saindo por um preço bem camarada!

Os códigos para review foram disponibilizados gratuitamente pela Illfonic
Imagem do texto de RKGK

Review – RKGK / Rakugaki

Marco AntônioMarco Antônio10/06/2024

Review – Blockbuster Inc.

Paulo AlmeidaPaulo Almeida04/06/2024