Skip to main content

Que tal explorar um vasto e belíssimo mundo se movimentando de forma ágil e praticamente sem limitações? Isso é Valley. Desenvolvido e distribuído pela Blue Isle Studio, o jogo originalmente lançado em 2017 para PS4, Xbox One e PC finalmente chega ao queridinho dos desenvolvedores indies: o nosso amado Nintendo Switch.

Valley é mais do que um simples jogo com objetivo claro ou gênero específico – ele está mais para uma experiência que é até difícil de classificar dentro de um único gênero. Por vezes um adventure, pitadas de plataforma e um toque de walking simulator, tudo isso em um belíssimo “vale” com cenários muito bonitos e um ambiente instigante.

Mais alto, mais longe, mais rápido

Você encarna um explorador com a missão de redescobrir um vale perdido. Lá você encontra um traje super tecnológico criado no ano de 1941 como um esforço militar de guerra. Esse traje te permite saltar distâncias inacreditáveis e correr em altas velocidades, ideal para a exploração que te aguarda. A sua nova roupa, chamada de L.E.A.F. Suit, tem o poder de dar e retirar a vida, além das suas habilidades físicas – interessante, não?

Imagem do jogo Valley
Dê vida, tire vida. Seu traje te permite brincar com o cenário.

Percorrendo o vasto mundo aberto de Valley, você vai descobrindo mais sobre a iniciativa militar que criou o traje e conseguindo upgrades para ele. Seu objetivo será explorar aquele místico ambiente e encontrar pequenas criaturas que povoam o cenário. A história é guiada por áudios da antiga usuária do seu traje, que vão sendo liberados conforme você avança no cenário.

A mecânica de dar ou retirar vida é muitíssimo interessante. Você pode retirar a vida de animais (que infelizmente são poucos no cenário) e grandes árvores, assim como revivê-los. E qual o sentido disso? Aí que vem uma belíssima sacada: quando você morre, automaticamente é revivido, mas como o jogo diz, é uma vida por outra. Cada vez que você se dá mal, alguém paga por isso.

A vida do vale vai se extinguindo, então cabe a você reviver tudo que estiver morto pra manter a saúde do vale alta e a garantia de que você também vai se manter vivo por mais tempo. Mas claro, isso também tem um custo para o seu traje, pois reviver consome energia, assim como retirar a vida restaura a energia da L.E.A.F. Suit, então a sua busca deve ser pelo equilíbrio.

Imagem do jogo Valley
Você vai amar passar um tempinho explorando o belo vale.

Corra, pule e explore

A jogabilidade é bastante simples e intuitiva, toda em primeira pessoa. Valley tem controles bem simples para quem está acostumado com shooters e os FPS da vida. Você basicamente corre, pula e mira. Tudo da maneira mais natural possível, instigando a continuar explorando sem ver o tempo passar. A mira talvez não seja das melhores, mas como você também usa pouco, não chega a atrapalhar.

Os gráficos são muito bonitos e por vezes você não acredita que está jogando em um Nintendo Switch. Claro que é perceptível a falta de resolução, mas não diminui a bela direção de arte que Valley possui. Não notei quedas de FPS nem nos momentos de correria mais frenética.

A física não é muito realista, mas ao menos é bem confortável. Saltos gigantes que as vezes parecem impossíveis são concluídos de forma suave. Talvez falte um pouco da sensação de peso, mas novamente esse é um ponto que não desabona a experiência. A trilha sonora é bem imersiva, com toques tribais/épicos que te incluem muito bem dentro do mundo de Valley. Os sons do vale são quase que inexistentes, uma pena, afinal uma bela floresta daquelas merecia mais sons ambientes. Mesmo tendo o vale como principal cenário, por vezes você explora ruínas de uma civilização perdida.

Imagem do jogo Valley
Super pulos dão um charme para a aventura.

Nem tudo são flores no vale

Talvez o grande problema de Valley seja a falta de carisma, tanto do protagonista quanto da história. É plenamente possível finalizar o jogo sem prestar a mínima atenção para o enredo, além do fato do jogo não ter nada em português, nem mesmo legendas. Também pesa o fato de que é bem desinteressante – dá para simplesmente pular tudo e sair apenas andando e explorando, é o que o jogo tem de bom no final das contas. Da metade pro final, ele muda um pouco o foco e apresenta até alguns inimigos para serem abatidos, o que é totalmente desnecessário e apresenta mais uma falha de mecânica do jogo.

Valley pode ser terminado em cerca de 4 horas de gameplay e lhes garanto que vai passar rápido. É gostoso de jogar e um verdadeiro alívio para a mente quando você não quer uma aventura complexa ou enredo rebuscado. Serve muito bem para dar aquela jogadinha de meia hora antes de dormir – só cuidado para não conseguir parar de jogar, pois esse é um risco real!

Imagem do texto de RKGK

Review – RKGK / Rakugaki

Marco AntônioMarco Antônio10/06/2024