Skip to main content

A década de 1990 foi um prato cheio para o gênero “beat ‘em up” com grandes clássicos como Final Fight, Streets of Rage, Tartarugas Ninjas, Cadillac Dinossaurs, entre vários outros. Atualmente o gênero retorna com alguns pingados de títulos indies, mas Sifu, lançado no ano passado, elevou a premissa desse estilo para um outro nível, sendo bastante elogiado por sua proposta de “simulador de Kung-fu”, basicamente atualizando o gênero beat ‘em up como nunca antes.

Sifu tem um sistema de combate complexo, com diversos movimentos. Só atacar nunca resolve, e o jogo conta com diferentes movimentos de defesa. Em resumo, o combate do jogo é o seu destaque. A dificuldade do game é amarga e está aliada ao entendimento das mecânicas de luta. Definitivamente não é para qualquer um, mas quando dominada, torna o jogo bastante divertido.

Um modo sem conversa fiada

Deixando a história de lado e focando no principal de Sifu, a desenvolvedora Sloclap está lançando hoje o modo Arenas, que é totalmente focado na porradaria do título, sem conversa fiada ou exploração. Você praticamente escolhe uma fase, ela inicia, os inimigos já estão lá, e você já entra “descendo o sarrafo” em todo mundo (ou apanhando muito).

Sifu Arenas Review
Já é difícil conseguir a pontuação mínima, imagina mais do que isso

Com cinco modos diferentes, Arenas é uma oportunidade ao jogador para colocar tudo que aprendeu durante a campanha. O modo Survive inicia com uma determinada idade, e você precisa sobreviver por uma quantidade específica de ondas de inimigos e terminar o mais jovem possível. Quanto mais jovem, melhor a pontuação final.

Já o modo Manhunt exige que o jogador derrote uma quantidade específica de inimigos marcados. Ou seja, você enfretará diferentes ondas de inimigos, cada onda conta um número determinado de inimigos marcados. Você terá que derrotá-los, além de enfrentar o restante do grupo que está lá para atrapalhar sua vida. Quanto mais rápido terminar, melhor é o resultado.

Para medir seu desempenho, o modo Performance acumula uma pontuação baseada em como você luta, emendando combos seguidos e apanhando o mínimo possível, por exemplo. No modo Time Attack, é necessário derrotar o máximo de inimigos no menor tempo. E, por último, o tradicional modo “capture a bandeira” em jogos de tiro multiplayer também está presente em Sifu, com a diferença que você precisa assegurar um pequeno espaço enquanto enfrenta vários inimigos.

Sifu Arenas Review
Mais legal ainda é lutar com estilo

Sifu nunca vai pegar leve

Além disso, existem diversos extras que modificam os desafios trazidos pelos modos. Tem desafio que permanecerá, digamos, “crú”, sem qualquer alteração, enquanto outros anulam sua defesa, os inimigos ficam mais fortes, só é possível esquivar, sua vida não se recupera, voce não consegue pegar as armas dos inimigos e essa lista vai muito longe. O problema mesmo é que não é só um ou outro modificador em um desafio, às vezes são vários juntos.

O novo modo é a culminação de tudo que Sifu introduziu: mecânicas muito refinadas para replicar o combate com Kung-Fu o mais realista possível. Os modificadores em cada desafio deixam as coisas ainda mais, hmmm… desafiadoras. Se você já passou pela campanha do game nas versões lançadas inicialmente, o modo é altamente recomendado. Se é sua primeira vez com jogo, recomendo passar pela história, que é bem legal, e então se desafiar nas arenas.

Olha a quantidade de modificadores!

De acordo com a Sloclap, o modo Arenas adiciona a Sifu 45 novos desafios, 9 localidades, 3 níveis de pontuação e 8 novas conquistas. É possível acessar os modos logo do menu inicial, embora o jogo recomende que você termine a campanha primeiro para acumular experiência com a história. Caso você queira enfrentar todos os desafios de cara, é possível fazer os tutoriais antes. Além desse conteúdo que já adiciona várias horas de jogo, o modo Arenas será ampliado no futuro.

Sifu está chegando hoje ao Steam e consoles Xbox, além das versões da Epic Games Store, Nintendo Switch e PlayStation 5 já disponíveis desde o ano passado.

Review – Another Crab’s Treasure

Renato Moura Jr.Renato Moura Jr.24/04/2024
Stellar Blade

Review – Stellar Blade

Diego CorumbaDiego Corumba24/04/2024