Skip to main content

O suprassumo dos jogos de motociclismo está de cara nova! RIDE 5 é a quinta entrada da franquia mais luxuosa do gênero, mais uma vez elevando toda essa experiência de simuladores a um novo patamar – e fazendo bom uso dos recursos da atual geração de consoles, é claro. Continua sendo um título nada amigável para quem é mais casual, mas os fãs mais determinados, que não se intimidam com grandes desafios, terão um prato cheio nas mãos.

Diferente de outros jogos de esporte, RIDE não visa ser uma franquia anual, que exagera na frequência de lançamentos, mas peca nas novidades. A Milestone deixou isso muito claro neste título, que tem conteúdo de sobra para manter sua longevidade por bons anos – e não menos importante, continuará sendo atualizado regularmente.

Somente para profissionais

Se você ainda não está muito familiarizado com o universo de motociclismo de RIDE, mas tem interesse de explorá-lo eventualmente, é importante ter em mente que trata-se de um jogo extremamente difícil. Pilotar uma moto com mecânicas realistas é completamente diferente de um carro, pois envolve outros tipos de física, um sistema de frenagem bem distinto e certos elementos que tornam a experiência de andar sobre duas rodas realmente única.

Saca só a curva do pai

RIDE 5 dispõe de uma jogabilidade bem customizável, permitindo que o jogador edite diferentes aspectos de assistência e outros pontos específicos das mecânicas. Esse é um adendo que vem sendo adotado pela maioria dos simuladores de corrida modernos e é sempre muito bem-vindo, pois facilita parcialmente a experiência dos novatos. Contudo, aqui a situação continua bem complicada mesmo nessas circunstâncias, pois o jogo não pega leve nem nos menores níveis de dificuldade.

Esse é um título sobre técnica e muito treino. Quem conseguir dominar pelo menos o básico de suas mecânicas terá um jogo completamente novo pela frente, pois é aqui que as coisas começam a ficar interessantes. O menor dos erros pode ser fatal para uma corrida e o game está sempre incentivando o jogador a buscar sua melhor performance. Indo além da dificuldade de pilotar a moto, o realismo do ambiente também interfere muito nesse aspecto.

Alguns screenshots podem ser facilmente confundidos com a vida real

Aqui podemos destacar o novo sistema de clima dinâmico, que pode mudar as condições do ambiente da água para o vinho repentinamente. Em um momento, você está feliz da vida liderando uma corrida em uma tarde ensolarada e, de repente, começa a chover. Isso já é o suficiente para avacalhar tudo, pois em pistas molhadas, a moto derrapa mais fácil e todo o tempo de frenagem deve ser alterado, exigindo máxima estratégia e expertise do jogador para dominar cada desafio imposto pelo jogo.

Investindo na sua carreira

O grande destaque de RIDE 5 recai sobre o seu modo carreira, que provavelmente é um dos melhores já feitos em um jogo de esporte. Aqui temos diferentes campeonatos e desafios divididos em quatro atos, com direito a rixas entre pilotos e uma historinha que consegue ser surpreendentemente cativante. Ao concluir cada etapa da campanha, você libera o modo Desafios Ilimitados, que traz as mesmas fases com uma dificuldade ainda maior (se é que isso seja possível).

Com o dinheiro que você ganha nas corridas, é possível customizar suas motos, tanto visualmente quanto no desempenho, além de personalizar seu piloto de diferentes formas. Em termos de realismo, o visual dos humanos neste jogo acaba sendo a parte mais decepcionante, claramente ficando muito atrás dos veículos e dos cenários. Felizmente, nosso piloto passará a maior parte do tempo uniformizado, então não faz tanta diferença, no fim das contas.

Os humanos são a parte menos realista do jogo

O sistema de rivalidade com outros pilotos é bem legal, parecendo até uma espécie de Pokémon sobre duas rodas (por mais ridícula que essa comparação possa parecer). Ao longo desses quatro atos, você enfrenta corridas em grupo, individuais ou desafios contra o tempo, não tendo a obrigatoriedade de bater os melhores recordes, pois o mínimo já garante sua classificação. Já em suas versões mais difíceis, você não tem escolha e precisará vencer tudo, então os Desafios Ilimitados são só para os fortes.

Somente o modo carreira já é o suficiente para render dezenas de horas de conteúdo, algo bem fora da linha em jogos do gênero. É claro que nada visto aqui é inédito ou inovador, mas a qualidade da campanha me impressionou, principalmente porque a maioria dos títulos de esporte que tenho o costume de jogar decepciona nesse quesito. Quando jogar sozinho já não estiver mais sendo o suficiente, RIDE 5 ainda dispõe de multiplayer local e online para todos se desafiarem.

O modo carreira rouba a cena

Aqui não tem muito a ser citado, tirando o fato de que o jogo possui crossplay entre todas as plataformas disponíveis, o que é ótimo. Ainda existe um modo específico para criação de corridas com condições personalizadas (algo que me lembrou um pouco Mario Kart), permitindo que os jogadores definam suas próprias regras. Tudo isso já garante uma vida útil praticamente infinita ao jogo, então mesmo sendo um título caro, seu conteúdo faz valer cada centavo!

RIDE 5 mantém a franquia no patamar obrigatório para fãs de motociclismo, mas com ressalvas. Lembre-se que sua dificuldade está muito longe de ser acessível e que a curva de aprendizado não acontece do dia para a noite. Somente com paciência e empenho é possível aproveitar ao máximo o que RIDE tem a oferecer, então pense bem nisso antes de se arriscar no mundo das corridas sobre duas rodas!

Review – Another Crab’s Treasure

Renato Moura Jr.Renato Moura Jr.24/04/2024
Stellar Blade

Review – Stellar Blade

Diego CorumbaDiego Corumba24/04/2024