Skip to main content

A nona geração dos monstrinhos de bolso chegou e precisamos ser bem sinceros e claros sobre a experiência que Pokémon Scarlet & Violet tem oferecido desde o seu lançamento. Eu sei que você que está lendo este texto já viu diversas opiniões online, assim como também li, estando munido das mais diversas informações de como a Game Freak e a The Pokémon Company “caíram no fundo do poço”. Estou errado?

O primeiro par de títulos que traz o mundo aberto de vez para a franquia não veio perfeito, essa é uma verdade inegável. Porém, está bem distante da tragédia colossal que muitas pessoas têm gritado por aí. Como fã da série e um assíduo jogador do Nintendo Switch, tenho de reconhecer que a performance passa longe de sucessos como The Legend of Zelda: Breath of the Wild, que lançou há cinco anos e de Xenoblade Chronicles 3, qual até concorre a Melhor Jogo do Ano de 2022.

Porém, ainda assim, ela carrega acertos que foram pedidos pelos mais apaixonados pelas aventuras de Pikachu em, no mínimo, uns 10 anos. O maior problema é aquilo que você está disposto a abrir mão para seguir em frente: pular essa geração e perder uma das melhores aventuras da série desde a “Era Game Boy” em favor de protestar contra o desenvolvimento conturbado ou jogar cheio de erros e bugs apenas para conferir isso? Infelizmente é uma decisão complexa que terá de tomar desta vez.

É um novo mundo de aventuras

O caminho de Pokémon Scarlet & Violet

A aventura de Pokémon Scarlet & Violet leva os jogadores para Paldea, um continente repleto de espaço livre para explorar e uma grande missão: buscar o seu tesouro, um objetivo pessoal pelo qual valha a pena lutar e cultivar. Pode ser capturar todos, enfrentar os ginásios da região, se envolver em missões que ajudem aos demais, o que você quiser como um aluno da Academia Naranja ou Uva.

Assim que os games te liberam para sair por aí, há três linhas principais que manterão a narrativa sob controle mesmo em frente de tamanha liberdade. Uma é a Victory Road, que te colocará na linha contra os líderes de ginásio para ganhar suas insígnias e enfrentar a Elite dos 4 e os treinadores mais poderosos. A segunda é a Starfall Street, onde perseguiremos os membros do Team Star para derrubar a organização de desordeiros de uma vez por todas.

A terceira e última se chama Path of Legends, qual acompanhará a saga de Arven atrás dos grandiosos titãs que estão espalhados pelo mapa. Cada uma delas tem a sua dose de mistério, de desenvolvimento e traz um bom aprofundamento para dar razão o bastante que faça você sair correndo e descobrindo tudo o que está em seu trajeto.

Os titãs podem se revelar verdadeiras ameaças ao jogador

O mapa é gigantesco, as cidades grandiosas como deviam ser e o elenco de criaturas em Pokémon Scarlet & Violet agrada bastante. Diferente de Sword & Shield, desta vez a seleção veio bem mais generosa e trouxe os favoritos do público para o estrelato ao lado dos novatos que comporão o seu time em algum momento da aventura.

Até mesmo os personagens são extremamente carismáticos, merecendo os cargos que são conhecidos na franquia como os oito membros detentores das insígnias, a rival, os professores da escola e determinadas outras figuras. Todos se encaixam bem e permitem que siga o que desejar sem pressão ou muito peso. Neste aspecto, a Game Freak acertou bem e mostra que fez a lição de casa para aqueles que viviam criticando as gerações anteriores.

O problema começa quando, a partir do momento que você pega realmente no jogo e parte em sua aventura, as coisas não funcionam como deviam. Nem digo na parte central: roteiro, captura e batalha entre os monstrinhos e outros elementos que são essenciais ali para manter as pessoas interessadas. Digo no básico mesmo de uma programação de jogos: polimento, renderização, movimentação de personagens, carregamento de assets, queda constante de fps entre vários outros fatores.

Não dá para defender, de verdade

Pokémon Scarlet & Violet não têm uma boa performance no Nintendo Switch e é impossível você jogar sem respirar fundo para alguns dos erros que são mostrados. Aquele bug ficará na sua cabeça por um tempo, os alunos da escola se movendo como bonecos em stop motion também, da mesma forma que aquela travada sinistra que deu na tela de carregamento e te forçou a fechar e reiniciar o jogo para desenrolar dali.

Podem tirar a minha carteirinha do fã-clube ou qualquer outra sanção severa que a comunidade inventa na mente dela. Porém, vamos de um fato: ele NÃO devia ter sido lançado em 2022. Havia tempo hábil para aprimoramento destes recursos básicos e que teriam tornado as coisas em algo especial se tivesse sido adiado em um ano ou se tivessem planejado uma janela de lançamento maior para ele.

Aí está você, mas preferia que fosse mais tarde

Tristeza em meio aos acertos

Sabem qual a pior parte disso tudo? De longe, este é um dos games mais divertidos de toda a franquia. Digo com tranquilidade no coração, apesar de ser contraditório. Porque no meio de todos estes erros visíveis e problemas que não tem como interpretar o advogado do diabo por aqui, eu passei mais de 40h da mais pura felicidade como se estivesse novamente com meus 14 anos e minha cópia de Pokémon Gold nas mãos.

Olha, sabe como foi difícil enxergar a Game Freak finalmente acertando naquilo que mais critiquei nos últimos anos de forma histórica? Porque podemos reclamar, resmungar e tudo o que for possível, mas Pokémon Scarlet & Violet tem algo que ninguém pode tirar dele: a estrutura era o acerto impossível, algo que eu mesmo tinha desistido de buscar quando comprava os jogos antigos.

Como eu falei, os personagens são extremamente cativantes. Posso listar ao menos dois deles que se tornaram meu top 5 de favoritos dos coadjuvantes e um que faz parte dos melhores líderes de ginásio segundo as vozes da minha cabeça. Realmente me encantei com muito daquilo e é até estranho escrever, porque não me sentia assim com um game desde o grand finale de Black & White.

Alguns personagens são muito carismáticos

Recompensas conforme completa a Pokédex, um ambiente extremamente diverso para explorar e encontrar as famosas criaturas, o sentimento de conquista a cada insígnia ou base alcançada, a captura de um novo membro da equipe, é tudo “mágico”. A distribuição de NPCs, o retorno de alguns recursos básicos com uma nova roupagem, ele realmente é a revolução que a franquia tanto precisava e foi pedida.

O maior erro de Pokémon Scarlet & Violet é ser a melhor experiência possível da franquia dentro do Nintendo Switch sendo produzida sob a pior performance que a Game Freak podia executar. Pode parecer até contraditório, mas é um equilíbrio desleal: quando finalmente os fãs conseguem o que tanto queriam, é dentro de algo que não faz jus ao poder da plataforma e dos milhões que Pikachu arrecada pelo planeta.

Consegue compreender a noção de que eles acertaram na ideia, mas erraram na execução? Foi exatamente esta a sensação que eu tive enquanto desbravava Paldea com meu Skeledirge e via cada vez mais coisas conforme avançava. No papel, estava tudo em seu devido lugar, na tela a desordem tomava conta em vários momentos. Isso porque nem estou discutindo o fator Gráficos, que aí entraríamos em um debate ainda maior que todos estão cansados de ver a cada lançamento.

Ao menos o básico se mantém perfeito

Um breve estudo de caso

Falamos sobre isso, infelizmente, porque é uma verdade que não detém escapatórias. Acredito que caiba aqui uma breve análise geral de situação que pode determinar como as coisas foram parar deste jeito nas mãos de uma legião de fãs. Porém, diferente do que muitos afirmam afora, não estamos nem perto do que houve com Cyberpunk 2077, por exemplo e manter essa conversa neste nível é chover no molhado.

Dito isso, vamos aos fatos: o mundo aberto visto em Pokémon Scarlet & Violet é a saída natural para um RPG que passou anos preso em portáteis e em linhas narrativas que perderam o fôlego diante de uma base de fãs que foi envelhecendo ao longo das décadas. A Game Freak não é experiente neste cenário, sendo que a última tentativa com Legends: Arceus no máximo cativou em ambientes limitados dentro de algo que eles mesmos criaram em 2007. Jogaram no seguro e todos seguimos em frente, certo?

Empresas mais competentes já erraram feio a mão, mesmo com experiência no mercado. Dragon Age: Inquisition, The Elder Scrolls V: Skyrim, Mass Effect: Andromeda e diversos outros exemplos estão aí em comparação. Nenhum deles tinha a performance perfeita ou representava o ápice de sua geração. Isso significa que você precisa engolir qualquer coisa e gastar R$299 em toda porcaria que eles fizerem? Óbvio que não, apenas que não adianta apontar que uma desenvolvedora é assim ou assado por uma produção.

Por quê choras?

Merecemos mais e estamos certos em cobrar. O videogame não é barato e sabemos o potencial dele. O jogo também não, principalmente aqui no Brasil que vemos ele custando 1/4 de um salário mínimo que já não é aquelas coisas e nem dá para o básico mensal do nosso mercado. Só digo que não adianta ameaçar até a mãe do Satoshi Tajiri, Junichi Masuda e do Shigeru Ohmori de ódio por algo que saiu dos trilhos. É mais comum na indústria do que gostaríamos de reconhecer e pode ser melhorado com atualizações, por mais que eles tenham se mantido em silêncio sobre o assunto.

Quer achar um vilão para o problema chamado Pokémon Scarlet & Violet? Ele se chama The Pokémon Company e seu formato de negócios. Vamos lá, todos sabemos que a franquia não está presa apenas aos jogos eletrônicos, é todo um conceito multimídia que está se expandindo cada dia mais. Tem anime, produtos, especiais, filmes, ações em parceria com Pokémon GO e Pokémon Unite, coleções de TCG entre outras coisas.

Desde a quarta geração, com Diamond & Pearl, estamos presos em uma janela de lançamentos fechados em três anos. A cada período assim, vemos o surgimento de novas criaturas, novas mecânicas e, consequentemente, todo o resto acompanha o passo. Ash e Pikachu encontram uma nova região com novos bichos, novas pelúcias e bonecos invadem as lojas, um filme é anunciado, lojas distribuem monstrinhos lendários e você sabe que não para por aí. É uma avalanche de conteúdo que parte dali.

Quantos deles veremos em diversos outros produtos e mídia?

2007, Diamond & Pearl. 2010, Black & White. 2013, X & Y. 2016, Sun & Moon. 2019, Sword & Shield. 2022, Pokémon Scarlet & Violet. Pode ter certeza que em 2025 veremos isso se repetir, anota aí para me cobrar quando chegarmos lá. O problema é que tivemos uma pandemia no meio disso tudo, a inexperiência da Game Freak no formato, uma expectativa sem precedentes com essa história de mundo aberto e tudo foi atropelado com este lançamento. O resultado está aí, só não vê quem não quer.

Há quem culpe o Nintendo Switch pelo problema, mas você ousaria fazer isso mesmo vendo que The Witcher III: Wild Hunt, toda a franquia Xenoblade Chronicles e até Dragon Quest XI: Echoes of an Elusive Age rodam perfeitamente ali? Está certo que os recursos do aparelho são limitados, mas ele não deve nem pode ser desmerecido dentro disso.

O Switch é capaz de fazer coisa bem melhor do que a vista aqui

Uma escolha muito difícil

Não estou aqui batendo o pé para dizer que você deve jogar ou não. A intenção é te dar todas as informações possíveis para fazer uma escolha. Para muitos, pesa toda essa situação de aparente descaso, de falta de zelo em uma franquia que é a mais lucrativa do planeta Terra, de ter um desempenho fraquíssimo nas mãos com o valor de algo que devia carregar as mesmas proporções do que os demais AAA da indústria.

Para outros, como o meu caso, vale a pena abrir mão disso para sentir que finalmente o outro lado está entrando no eixo e entregando tudo o que desejamos. A evolução natural é o termo correto para explicar este aspecto de Pokémon Scarlet & Violet. Isso acontece ao meio de uma tragédia, infelizmente. Porém, acontece, isso pode ter certeza. Eu, por exemplo, acabei de zerar e escrevo isso na expectativa de voltar logo ao videogame.

Ainda há um longo caminho a ser percorrido

Têm muito o que melhorar, com certeza. Koraidon e Miraidon mal empinam, pelamor. O mapa é complicado de compreender e manejar, mesmo com dezenas de horas. Alguns comandos que deviam servir para facilitar sua vida, às vezes complicam. Em suma, preferia estar reclamando disso pela crítica do que de sua performance. Ainda assim, ele passa muito longe da tragédia que estamos vendo nas redes sociais.

Recomendo aguardar para que uma atualização venha e corrija grande parte dos problemas que ele apresentou até aqui. Ao menos nos que se referem às partes técnicas que ele se mantém falho. Caso sinta que nada disso conseguirá atrapalhar a sua diversão, como não impactou tanto a minha, pode seguir em frente que encontrará algo a se apegar dentro deste capítulo inédito que está sendo escrito. A decisão é sua.

Imagem de Zet Zillions

Review – Zet Zillions

Marco AntônioMarco Antônio23/05/2024
Terra Memoria

Review – Terra Memoria

Vinícios DuarteVinícios Duarte21/05/2024