Skip to main content

O passado sempre intrigou a raça humana, fazendo com que exploradores e arqueólogos se emaranhassem através das entranhas da terra e corredores de tumbas atrás de segredos e tesouros além da imaginação. Usando essa inata curiosidade e busca por relíquias misteriosas, Phantom Abyss trás um divertido FPS roguelike bem desafiador para aqueles dispostos a sobreviverem as armadilhas do local.

Produzido pelo time WIBY e distribuído pela Devolver Digital, Phantom Abyss entrega ao jogador a possibilidade de viver uma aventura pelos labirintos cheios de armadilhas de uma ruina onde o jogador está preso pela influência de uma poderosa entidade. Além dos tesouros e relíquias aqui guardados há outros mistérios fantasmagóricos a serem desvendados nestes corredores.

Preso com os tesouros que viemos buscar

Phantom Abyss traz ao jogador uma visão assombrosa para qualquer explorador, ficar preso dentro de uma tumba/ruina sendo explorada pelo mesmo. No tutorial vamos explorando as mecânicas do jogo e aprendendo com os desafios que nos são lançados, enquanto vemos os fantasmas de outros jogadores explorando e desafiando o local também.

imagem do review de Phantom Abyss

Ao chegar ao final do tutorial vemos uma placa que nos transporta para o HUB do game, local onde vemos as provações que devemos enfrentar e a imponente estátua de um ídolo aprisionado por três máscaras guardiãs. Nosso objetivo em Phantom Abyss é o de explorar as ruinas de quatro templos diferentes em busca de enfraquecer as correntes de Altec, o Deus preso ao centro.

Além deste imenso ídolo, no hub vemos uma fantasma diferente dos outros. Esta alma presa aqui, parece não notar o jogador enquanto interage com as relíquias que trazemos de dentro dos labirintos, aparentando ser uma alma específica presa pela vontade da entidade que reina sobre este local. Esta alma é de uma exploradora chamada Una que nos ajuda a entender mais sobre este novo mundo em que o jogador se encontra, ainda que de maneira indireta.

Cada um dos templos possui dez rotas diferentes, sendo necessário completar quatro destas rotas para poder quebrar uma das correntes, mas completando todas é possível desbloquear novos chicotes, cada um com uma habilidade especial, além de se conseguir mais pontos e moedas através dos desafios completados!

imagem do review de Phantom Abyss

Desafio dos antigos

O gameplay de Phantom Abyss é bem simples, mas ainda assim bem desafiador e exigente do jogador. Sempre que se entra em uma nova rota de desafio, o jogador pode escolher desafios adicionais que irão testar suas habilidades e pensamento tridimensional para poder se mover e sobreviver da melhor maneira nas tumbas e ruínas, independente de quantos andares as mesmas tenham.

As ruinas seguem uma filosofia padrão, onde o objetivo é chegar até o final e recuperar uma das relíquias ao final. No decorrer delas temos que desviar de armadilhas como paredes que se movem em nossa direção, estacas, pisos falsos e um dos três espíritos das máscaras guardiãs, sendo elas uma máscara que solta gás venenoso pelo mapa, um olho enorme que dispara rajadas de energia e um espírito raivoso que nos persegue incansavelmente pelo cenário, negando paredes em sua busca implacável.

O jogador tem a movimentação básica com W,A,S,D, um slide com Ctrl e a habilidade de usar o chicote ao mirar com o botão direito do mouse e atacar com o direito. O chicote possui duas funções, sendo a primeira a de ajudar na movimentação, batendo e colando em paredes e puxando o jogador para cima, além disso caso o chicote possua a habilidade ou o jogador compre pelo nível, é possível atacar os guardiões com o chicote e os banir por um período de tempo.

imagem do review de Phantom Abyss

Sempre que se destrói a corrente de um dos membros do Deus do hub, é possível fazer uma exploração mais desafiadora da câmara central do templo, onde podemos ver novamente outros fantasmas de jogadores. Ao completar liberamos o próximo templo, um gameplay que poderia ser bem maçante, não fosse o caso de que cada nível possui seu próprio chicote, que traz uma habilidade diferente, seja ela recuperar vida ao pegar moedas, planar, chicote capaz de banir guardiões e muito mais.

Em busca de uma saída

Mesmo sendo bem divertido e desafiador, o núcleo de Phantom Abyss acaba sendo bem repetitivo, mesmo com os diferentes chicotes adicionando modos de se abordar cada ruína de maneira diferentemente. Claro que com nosso avanço novos desafios são integrados, como novas armadilhas e inimigos, além de perigos exclusivos para cada elemento de templo, com o templo da floresta tendo armadilhas mais rústicas, o de gelo tendo pisos escorregadios e monstros de gelo, assim por diante.

Outro fator que torna pouco interessante o investimento a longo prazo em Phantom Abyss é a sua narrativa. A história coloca o jogador como um agente externo, servindo como processo de libertação desta antiga entidade presa nos confins do hub entre os templos, mas com a verdadeira história sendo passada de maneira indireta pelo fantasma da pesquisadora presente no local.

Agora um problema grande de verdade que tive enquanto jogava Phantom Abyss era com o chicote enquanto gancho. Em certos momentos encaixava saltos magníficos durante minhas corridas pelos andares e corredores das catacumbas. Em outros me via caindo rumo aos buracos e armadilhas, o que é bem frustrante, uma vez que em dificuldades maiores, como as em que eu jogo, a quantidade de vida perdida é bem maior.

imagem do review de Phantom Abyss

Claro que cada chicote possui sua habilidade principal, ainda assim o número de debuffs necessários sofrer para poder conseguir todos, acaba deixando o jogo bem mais cansativo do que acredito que poderia ser, deixando pouco espaço para criatividade de combinação de itens e melhoras adquiridas por chaves pelo jogador e mais uma tarefa masoquista.

A escuridão o espera

As chaves citadas acimas são adquiridas ao final de cada andar muitas vezes, quando entramos em uma tumba com vários andares, mais chaves, que vão desde chaves verdes normais, até chaves roxas lendárias, que servem para aumentar a quantidade de corações de vida, velocidade de recuperação, tamanho do chicote e número de golpes possíveis. Muito ainda acaba por cair por terra dependendo do número de desafios que o jogador use, o que em contra partida pode bloquear certas relíquias e upgrades.

Há como competir contra amigos e visitar templos diários também mas como dito antes, o núcleo em si do jogo não muda muito de câmara para câmara, de armadilha para armadilha. Mesmo decorando os inúmeros eventos aleatórios que podem ocorrer, o jogo perde um pouco do fator surpresa. Se estiver jogando online então, reze para não ter problemas de conexão lenta ou perda de pacotes, pois quando isso ocorre você irá perder vida ainda mais facilmente!

imagem do review de Phantom Abyss

A combinação de elementos de Phantom Abyss o torna interessante para jogadores mais competitivos do que eu e que gostam de explorar cada espaço de vantagem que podem do cenário, usando as melhorias compradas com as chaves e chicotes. Infelizmente não é para mim, até mesmo o final do jogo me deixou desanimado ao final, já que esperava algo maior.

65 %


Prós:

🔺 Desafiador e exige bastante atenção do jogador
🔺 Bastante variedade de chicotes e suas habilidades
🔺 Aleatoriedade das ruinas pode gerar espaços bem interessantes
🔺O valor de replay é alto para quem gosta de bater o próprio tempo

Contras:

🔻 Chicote gancho pode e será bem frustrante em certas partes
🔻 História tenta ser interessante e profunda mas acaba sendo maçante
🔻 Perda de pacotes e queda de rede podem avariar bastante sua performance

Ficha Técnica:

Lançamento: 25/01/2024
Desenvolvedora: Team WIBY
Distribuidora: Devolver Digital
Plataformas: PC/Xbox Series
Testado no: PC

Imagem de Children of the Sun

Review – Children of the Sun

Marco AntônioMarco Antônio09/04/2024
imagem de Ereban: Shadow Legacy

Review – Ereban: Shadow Legacy

Marco AntônioMarco Antônio09/04/2024