Skip to main content

Há muitas opções para quem gosta de jogos de luta, mas foi em Mortal Kombat que encontrei meu gosto pelo gênero. O design diferenciado dos personagens, a violência gráfica e a criatividade colocada a prova a cada novo game fez com que a franquia sempre proporcionasse aos jogadores uma nova experiência. Já com Mortal Kombat 11 a história é outra: não é só uma continuação, é uma tremenda evolução.

Entre muita violência e desmembramentos, os jogadores podem ter a certeza de que Mortal Kombat 11 não se trata de “mais do mesmo”. O jogo traz diversas novidades que proporcionam combates ainda mais intensos e brutais, além de novos modos de jogo, referências, personagens e funcionalidades que melhoram características que já eram bastante divertidas em Mortal Kombat X.

Kolidindo o passado e o presente

A história de Mortal Kombat 11 continua exatamente de onde terminou Mortal Kombat X, porém a campanha é mais robusta e fará seus dedos sangrarem de tanto jogar. Prepare-se para uma narrativa que pode trazer nostalgia e muita empolgação ao rever os combatentes do passado lutando ao lado de suas versões do presente. Graças ao visual absurdamente bonito e detalhado, somos agraciados com a melhor versão destes lutadores com excelentes animações, expressões faciais com poros na pele e até suor após uma exaustiva batalha.

Imagem do jogo Mortal Kombat 11
Não sei nem como agradecer a Kronica por este feito.

Nesta campanha cinematográfica fica perceptível a melhoria na dublagem (original e brasileira): os diálogos são mais claros, com vozes sem sotaque de carioca ou paulista, com uma adaptação ainda mais liberal onde os lutadores dizem palavrões de forma bastante espontânea. E como de costume o jogo possui muitas referências: em um embate entre Sonya Blade e Kano, a general comenta sobre as mortes de seus amigos causadas por ele, frase retirada do filme de 1995.

Um outro ponto que chama a atenção em Mortal Kombat 11 é a humanização dos personagens. Já rolou isso nos jogos anteriores, mas neste título o cuidado com os detalhes surpreende: as lutas são mais realistas, a composição sonora é excepcionalmente pontual e até mesmo o posicionamento de câmera surpreende durante as belas animações.

A campanha de Mortal Kombat 11 também traz algumas mudanças que são bem-vindas, como a exclusão dos Quick Time Events. Sem elas as cenas acabam fluindo melhor, deixando a ação mais frenética. A novidade é que em alguns momentos é possível escolher qual lutador enfrentará o oponente, embora as possibilidades sejam limitadas aos personagens que estão envolvidos naquela cena. O legal é que isso abre uma pequena porta para narrativas alternativas, incentivando o replay deste modo.

Imagem do jogo Mortal Kombat 11
Ver o Kotal Kahn serrando seus oponentes é espantoso.

É nos combates multiplayer que a coisa fica ainda mais intensa. Seja online, local ou contra a CPU prepare-se para lutas aceleradas com uma grande quantidade de combos e novos meios de causar sérios estragos no seu oponente. Os lutadores agora possuem barras de status ofensivo e defensivo que ajudam a tornar seus golpes mais poderosos conforme suas realizações. Os famosos x-rays sofreram uma evolução: agora são mais sutis e, para serem realizados, dependem apenas da força do seu golpe. Essas mudanças dão ao jogador a possibilidade de criar maior variedade de combos, mantendo o ritmo do combate a milhão.

Mortal Kombat 11 é ainda mais sangrento

A sutilidade do x-ray não torna o jogo menos cruel. Na verdade ele só abriu espaço para a chegada dos incríveis Fatal Blow. Essa mecânica traz golpes especiais impiedosamente devastadores que farão a tela da sua TV jorrar sangue por todos os lados. Este golpe só pode ser utilizado quando a esperança da vitória parecer perdida, pois ela só é debloqueada quando o jogador estiver com 30% da sua barra de vida. Desta forma o combate tende a ficar ainda mais balanceado, pois os lutadores precisam realizar combos poderosos para chegar ao final da partida. Por outro lado, se você estiver morrendo, o Fatal Blow pode reverter a situação.

Nem preciso dizer que os fatalities são incríveis, né? A criatividade da NetherRealm não deixa de surpreender e Mortal Kombat 11 tem finalizações para todos os gostos, desde show de ventríloquo com os membros inferiores brutalmente arrancados até mutilações completas com vários pedaços do oponente voando pela tela. Se esses momentos já eram incríveis nos jogos anteriores, desta vez estão mais chocantes devido ao grau de realismo. Tem até fatalities que prestam homenagem: quem assistiu o clássico O Enigma de Outro Mundo (The Thing, de John Carpenter) vai sacar a referência no fatality da D’Vorah, assim como o soco de uma polegada de Bruce Lee realizado num fatality do Liu Kang. Por outro lado senti falta dos Stage Fatality: a julgar pelas muitas armadilhas aparentes nos cenários, acredito que eles possam vir em atualizações.

Imagem do jogo Mortal Kombat 11
De todos os Fatalities, esse da D’Vorah sem dúvida é o mais grotesco.

Quando achar que a violência chegou no limite você descobrirá que essa palavra está cada vez mais distante do vocabulário da NetherRealm, pois além dos inesperados Brutalities, agora há novos golpes e combos que você pode equipar nos lutadores. Essa novidade é uma evolução da mecânica de variações do personagem que vimos no Mortal Kombat X em conjunto com as personalizações de equipamentos presentes em Injustice 2. Assim temos o modo Kustomização, um local mais robusto para a personalização dos lutadores.

Neste modo há uma grande variedade de itens que permitem criar combatentes únicos: é possível alterar roupas, equipamentos, armamentos, golpes, introduções e vitórias para os combates ou condutas para o modo de Batalhas de Inteligência Artificial. Alterar a aparência dos lutadores não só é satisfatório como pode ser importante, pois há itens que trazem melhorias em ataques e poderes especiais. Isso certamente incentivará os jogadores a lutar incansavelmente para ter os melhores lutadores possíveis.

Cada personagem possui uma enorme lista de itens para serem desbloqueados, de skins a habilidades. Também é possível aumentar o nível dos equipamentos e assim liberar slots de melhorias que tornam o lutador ainda mais forte, o que é muito útil para vencer as batalhas nas Torres do Tempo ou contra a Inteligência Artificial. Esses itens vão sendo desbloqueados conforme suas vitórias e, ironicamente, ganhei alguns itens do Shao Kahn – personagem que infelizmente não estava incluso na cópia cedida para esta análise.

Imagem do jogo Mortal Kombat 11
Impressão minha ou o Jax é a cara do Barret do remake de Final Fantasy VII?

Contas da Kripta

Alguns dos itens de customização virão como recompensas por suas vitórias em batalhas, mas é através da Kripta que você pode encontrar itens valiosos. Este local repleto de tesouros também está diferente: agora controlamos um personagem em terceira pessoa podendo perambular pela famosa ilha de Shang Tsung. Cary-Hiroyuki Tagawa, ator do primeiro filme e da série Mortal Kombat: Legacy, empresta seu rosto e voz mais uma vez para o bruxo. Durante a exploração você pode adquirir itens interessantes e se surpreender vendo muitos lugares conhecidos por outros ângulos.

As torres clássicas também estão presentes, porém agora Mortal Kombat 11 traz as Torres do Tempo que de certa forma são semelhantes às Torres Vivas do Mortal Kombat X, contendo desafios e recompensas em constante mudança. A diferença é que aqui os modificadores não são atribuídos apenas pelo jogo. Na verdade a torre dá modificadores somente para o oponente, pois o jogador precisa ganhar estes recursos ou forjar lá na Kripta. Uma das coisas mais legais é que há modificadores que permitem receber ajuda de lutadores que não são jogáveis como Cyrax, Sektor e Bo’ Rai Cho, sendo que neste último exemplo só aparece o poder e não o personagem propriamente dito.

Já as Batalhas de Inteligência Artificial oferecem combates no qual o jogador configura uma equipe de 3 lutadores para enfrentar missões online contra IA de outros jogadores. Neste modo as batalhas são apenas assistidas, o que é um pouco estranho mas ajuda aqueles que não tem muito tempo para jogar e assim conseguir recompensas. Sua equipe pode inclusive ser desafiada por outros jogadores, rendendo recompensas com pouco esforço mas de forma equilibrada.

Imagem do jogo Mortal Kombat 11
A ilha de Shang Tsung é enorme e absurdamente bonita.

Algo que pode incomodar os jogadores durante essas batalhas de IA é a possibilidade de seus defensores desbloquearem alguns troféus ou conquistas dependendo de onde você joga. Acontece que durante os combates assistidos, os personagens controlados pela inteligência artificial podem realizar estes feitos quebrando o real desafio destas conquistas. Eu definitivamente não gostei de assistir a IA desbloquear troféus por mim.

Mortal Kombat 11 é simplesmente incrível. Além do visual de tirar o chapéu do Kung Lao, o jogo traz muitas novidades e melhorias em características que já funcionavam muito bem no game anterior. As novas funcionalidades proporcionam combates mais rápidos, assim como os Fatal Blow dão a chance de mudar o rumo das partidas. E, claro, os fatalities continuam sendo a cereja neste bolo que Ed Boon morde com gosto. Igual o Baraka.

Imagem do texto de RKGK

Review – RKGK / Rakugaki

Marco AntônioMarco Antônio10/06/2024

Review – Blockbuster Inc.

Paulo AlmeidaPaulo Almeida04/06/2024