Skip to main content

Depois de 20 anos de seu lançamento original, Mario vs. Donkey Kong ganha uma nova versão para Nintendo Switch, num remake que vai muito além do resgate deste clássico e oferece uma experiência gratificante para os fãs da franquia ou amantes de bons desafios de lógica.

A rivalidade entre o bigodudo mais famoso dos games e o gorilão que um dia já foi vilão ganha nova vida na geração atual, com novos mundos, mais cores e expressão, novos modos e sequências animadas para encher os olhos de quem acompanha os lançamentos desses dois personagens icônicos.

“Oh! Stop… Comeback”

Com uma história que amarra perfeitamente a proposta do jogo, com sua divisão de mundos e fases, temos uma sequência de abertura com Donkey Kong zapeando a televisão até se deparar com a propaganda o brinquedo dos Mini-Marios. Após a tentativa frustrada de adquirir um, com os estoques esgotados em todas as lojas, o gorila decide invadir o prédio da Mario Toy Company para ter o seu, mesmo que para isso ele precise usar a força.

Mario vs. Donkey Kong

A partir de então encaramos uma jornada de oito mundos temáticos, da maneira como a franquia gosta de trabalhar, perseguindo o “vilão” do jogo ao melhor estilo “Prenda-me se for capaz”. Em cada um dos mundos temos seis fases para resgatarmos um Mini-Mario em cada, experimentando mecânicas diferentes em cada uma delas: esteiras, teletransporte, cordas para escalar, lasers, inimigos com ações diferentes e muita criatividade para você conhecer numa agradável curva de aprendizado.

Após resgatarmos cada brinquedo do encanador, vamos para uma sétima fase em que precisaremos guiar os robozinhos por caminhos perigosos, abrindo caminho e protegendo-os para coletarmos maior número possível de Mini-Marios de volta para caixa de brinquedos em segurança. Somente então vamos para uma oitava fase, em que enfrentaremos Donkey Kong numa batalha que resgata o clássico de Game Boy, subindo pelas plataformas e escapando dos objetos lançados pelo gorila para lançar algo que possa causar dano até vencê-lo.

Mario vs. Donkey Kong

Para essa versão remasterizada contamos com duas novas fases: Merry Mini-Land, um parque de diversões, e Slippery Summit, a famosa fase de gelo e sua superfície deslizante. Disponíveis, respectivamente, nos mundos quatro e seis, são gratas adições ao jogo e com novos formatos de desafios. No entanto, a movimentação do Mario não me agradou no mundo de gelo e neste ponto acredito que conhecemos um pequeno problema para este jogo quase perfeito.

Um jogo de lógica e precisão

A movimentação em Mario vs. Donkey Kong foge do padrão da série de jogos em plataforma, trazendo um Mario mais “pesado”, que se desloca em menor velocidade e com pulos mais contidos. Esse estilo é justificado pela proposta do jogo, pois os puzzles dependem do jogador utilizando elementos nos cenários (itens, plataformas e até inimigos) para alcançar os objetivos, seja coletar os três presentinhos coloridos (vermelho, azul e amarelo) e/ou os Mini-Marios.

Mario vs. Donkey Kong

Infelizmente o remaster não corrigiu o problema do agarrão do Mario para a sua movimentação por meio de cordas ou escadas suspensas. Basta dependermos de um movimento mais rápido ao trocarmos entre elementos que não estejam no mesmo nível do nosso herói para enfrentarmos uma queda quase certa, fazendo com que tenhamos que recomeçar todo o trajeto.

Talvez por essa necessidade de precisão extrema e cautela para superarmos os desafios, a nova edição de Mario vs. Donkey Kong oferece um modo co-op, em que Toad aparece para um segundo jogador, ou até mesmo o modo Casual. Ao contrário do modo Clássico, em que nada altera na jogabilidade, para quem busca uma partida mais leve, o Casual oferece checkpoint, tempo infinito e até “cinco tentativas” para você falhar antes de perder uma vida.

Mario vs. Donkey Kong

Essas adições com foco no bem-estar do jogador são muito bem-vindas, pois o jogo possui oito mundos para chegarmos ao primeiro final, porém ele libera os mesmos oito mundos numa versão “plus” para você refazer, com pequenas mudanças e desafios extras, que levam ao verdadeiro final do jogo. Além disso, ao finalizar pela primeira vez, temos acesso ao modo Time Attack e Expert, trazendo um conteúdo extra que multiplica ainda mais o tempo de jogo e aumenta o fator replay.

Quebra-cabeça que encaixa perfeição e carisma

Mario vs. Donkey Kong pode parecer idêntico ao seu original, mas os cuidados e atenção aos detalhes mostram como este remaster é um item obrigatório na sua coleção ou lista de jogos do Nintendo Switch. Assim como em Mario Wonder, tudo possui muita cor e expressividade, com elementos bem cuidados e representados, desde texturas ao próprio modelo 3D dos personagens principais.

Mario vs. Donkey Kong

As sequências animadas e telas de loading entre os mundos ou fases demonstram que tudo foi pensado para capturar a atenção e o coração dos jogadores. Isso sem contar que a trilha sonora é muito agradável e as temáticas pelos oito mundos proporcionam interações extremamente criativas, capazes de criarem os desafios e puzzles mais interessantes. Ao contrário do que pode aparentar, esse não é um jogo cansativo e oferece muita diversão, principalmente para quem gosta de queimar os neurônios.

Com tanto cuidado na parte artística e para o conteúdo não foram suficientes para adicionarem o nosso idioma. Uma pena perceber que, mesmo com a chegada de jogos da Nintendo localizados para o português do Brasil, Mario vs. Donkey Kong não teve a mesma atenção. Mesmo com um comercial totalmente em português divulgado apenas em redes sociais, nada tivemos para os fãs brasileiros.

Mario vs. Donkey Kong

Mario vs. Donkey Kong é mais um remaster da Nintendo para o Switch que merece ser jogado e adquirido. Troque a correria e as acrobacias tradicionais da franquia Mario por uma movimentação mais cadenciada, mas que consegue entreter pelos desafios e quantidade de conteúdo.

98 %


Prós:

🔺 Excelente trabalho no remaster do visual e trilha sonora
🔺 Jogo com boas opções de modo e muito conteúdo
🔺 Ótima curva de aprendizado para os puzzles
🔺 Jogabilidade simples e divertida
🔺 Boas adições com foco na qualidade de vida

Contras:

🔻 Falta ajuste no agarrão do Mario em elementos suspensos do cenário

Ficha Técnica:

Lançamento: 16/02/24
Desenvolvedora: Nintendo
Distribuidora: Nintendo
Plataformas: Switch

Imagem de Children of the Sun

Review – Children of the Sun

Marco AntônioMarco Antônio09/04/2024
imagem de Ereban: Shadow Legacy

Review – Ereban: Shadow Legacy

Marco AntônioMarco Antônio09/04/2024