Skip to main content

Life is Strange 2 chegou ao quinto e último episódio, trazendo momentos decisivos para os irmãos Sean e Daniel Diaz, que continuam seu caminho em direção a Puerto Lobos, após o incidente em Seattle. A terra natal de seu falecido pai nunca esteve tão próxima, mas atravessar a fronteira pode ser mais difícil do que parece, mesmo com o uso dos poderes de Daniel. Essa jornada mostrou a dura realidade para os meninos, ambos cresceram e evoluíram superando diversas situações complicadas, fazendo novos amigos e também inimigos. Como é de se esperar, agora é hora de descobrir as consequências de suas escolhas feitas até aqui: elas determinam umas das possibilidades de desfecho desta dramática aventura.

Ao longo da história, a Dontnod introduziu cuidadosamente temas sociais importantes e relevantes como bullying, xenofobia, racismo e muitos outros que promovem uma boa reflexão sobre o comportamento da sociedade atual, mas é neste episódio que o enredo chega a seu ápice. Essa temporada fica marcada pela profundidade da narrativa e algumas mecânicas diferentes que foram implementadas durante os episódios, distanciando essa experiência daquela que tivemos com o primeiro jogo. Esteja preparado, pois Wolves te conduzirá para momentos surpreendentes e imprevisíveis.

Turistando pela cidade fora do mapa

Os irmãos continuam seu trajeto, após seis semanas desde os acontecimentos do episódio quatro, agora acompanhados de sua mãe, que há muitos anos abandonou a família e suas responsabilidades, sem dar muitas explicações. Apreensivo com esse retorno repentino, Sean não lhe dá muita intimidade enquanto que Daniel está animado em revê-la e se envolve facilmente. Karen leva os garotos para sua atual residência em Away, um lugar desolado e fora do mapa de Arizona. Talvez assim eles possam conhecê-la melhor, entender seus motivos e, quem sabe, se adaptar a essa realidade para permanecerem por ali. No pior dos casos, dá ao menos para planejar o restante desta missão.

Imagem do jogo Life is Strange 2
Mais uma vez, o ambiente de Life is Strange 2 é muito atraente.

Esta pequena cidade aloja moradores que sentem-se de alguma forma pressionados e apreensivos. Aqui, eles veem a chance de recomeçar ou de encontrar o seu lugar no mundo, um sentimento que Karen e os próprios garotos carregam. Essa é a maneira do jogo apresentar os diferentes contextos que levam pessoas a seguirem caminhos para se libertar da ignorância e do padrão estabelecido pela sociedade. Há novos e conhecidos personagens com diferentes histórias como a do casal Arthur e Stanley, que recomeçaram suas vidas longe dos familiares e das pessoas que os agrediam somente por sua orientação sexual. Os temas já foram abordados em episódios anteriores mas, diferente daquela sutileza, aqui as coisas ficam claras, mostrando como podem ser as feridas e os traumas causados pela ignorância. Os irmãos também se encaixam neste triste contexto sofrendo trauma, e até mesmo agressões físicas, devido à xenofobia de seus vizinhos e outros americanos ignorantes.

Nesta cidade, Daniel usa e abusa das técnicas para interagir com objetos do cenário. Ele move coisas pequenas como latinhas até estruturas enormes para criar esculturas bizarras com Joan, sua nova amiga. Neste episódio, seus poderes também possuem um peso muito maior. Isso acontece porque há momentos em que a criança poderá usá-los para se vingar de algumas pessoas bem como para proteger Sean em situações específicas. Claramente, a maioria dessas interações depende dos seus comandos e algumas ainda podem influenciar na formação moral do menino. Por vezes, ele também fará uso das técnicas sozinho, tendo como base os aprendizados até aqui que, dependendo de como foram realizados, podem ocasionar em atitudes um tanto maldosas.

Imagem do jogo Life is Strange 2
Bateu aquela saudade do Captain Spirit.

Até certo ponto deste quinto episódio de Life is Strange 2, a formação de Daniel ainda está em desenvolvimento, significando que ainda há coisas que vão refletir nas ações do garoto no restante da história. Isso é extremamente interessante por deixar o futuro da narrativa incerto. Você até pode ter uma noção do que Sean vai fazer em algumas situações, mas simplesmente não dá pra imaginar como Daniel vai processar tudo isso. Quando ele reage, você percebe que as ações são um reflexo das coisas que você disse, mostrou e permitiu que o garoto fizesse. No fim das contas, isso pode ser até um pouco perturbador, te fazendo pensar que talvez não fez as melhores escolhas para seu irmãozinho.

Dando adeus ao sonho americano

Life is Strange 2 aproveita alguns momentos para nos lembrar das escolhas e consequências que causamos na primeira temporada desta série. Para evitar spoilers, não entrarei em detalhes, mas é um momento envolvente e até um pouco surpreendente, ainda mais quando a musica tema toca ao fundo, nos transportando diretamente para Arcadia Bay por alguns minutos. Além disso, também temos menções a todos que passaram por nosso caminho, como Captain Spirit, os avós, Brody, os Hippies Finn e Cassidy e outros. Tudo isso ajuda a lembrarmos do trajeto que trilhamos e nos prepara para o que vem adiante.

Imagem do jogo Life is Stange 2
QAP, Daniel.

Por mais que o lugar seja convidativo e ofereça segurança, não demora muito para que a paz de Away seja interrompida, pois a policia continua a procura dos garotos que precisam partir o quanto antes. Neste curto trajeto, há muitos acontecimentos que vão surpreender o jogador. A xenofobia, por exemplo, chegará ao seu triste auge com cenas difíceis de acompanhar. A representação é realmente tensa, mas mostra a responsabilidade e o cuidado da Dontnod para tratar o assunto e promover de uma vez por todas a importância da discussão e reflexão sobre o tamanho desse problema. Isso é sem dúvidas o maior destaque desta narrativa e uma baita cutucada na situação atual do governo americano.

O final da história de Life is Strange 2 vai ser muito pessoal para cada jogador, se tornando mais forte se você estiver realmente envolvido com o contexto, fazendo as escolhas de forma sincera e não apenas por fazer. Não dá pra determinar qual é o final feliz, o que pode ser bom para alguns, pode incomodar outros, mas isso não tem a ver com as diversas possibilidades que o jogo possui. Na verdade, vai depender muito mais da sua perspectiva e das ideias que você defende para os personagens. O desfecho até pode ser previsível para Sean, dependendo de suas escolhas, mas você não sabe o que Daniel fará e é esse detalhe que reserva a grande surpresa, podendo te deixar boquiaberto seja lá qual for o resultado. Além de render momentos inesquecíveis que podem até te deixar nervoso consigo mesmo, como eu fiquei.

Imagem do jogo Life is Strange 2
Por que essas caras feias? Eu avisei que iria sumir.

Desta vez, o episódio te mantém ocupado durante todo tempo, nada de cenas longas ou ter que esperar alguém atender um telefonema, a não se em um caso especifico, mas esse não demora e permite algumas ações interessantes. Com a conclusão da temporada, dá para notar mudanças de gameplay que deram características únicas para Life is Strange 2, como os desenhos de Sean que substituíram aqueles momentos reflexivos, jogos de tabuleiro e itens que você pode carregar na mochila. Todas essas interações trouxeram uma jogabilidade interessante, mas em sua maioria foram superficiais, como o gerenciamento de dinheiro, que poderia ter mais importância no decorrer da narrativa ou a lesão no olho de Sean, que não possui opções que tragam consequências a longo prazo. Já em termos narrativos, não há o que discutir, todos os temas abordados foram muito bem aprofundados e houve até ousadia em algumas representações, mostrando uma clara evolução na construção dos personagens e das histórias da Dontnod.

Life is Strange 2 termina deixando boas reflexões sobre diversos assuntos sociais, as quais eu espero que possam ajudar as pessoas que se identificarem e a melhorar a postura de todas as outras. Além disso, o jogo transmite muitas emoções com cenas que certamente te levarão às lágrimas. Os irmãos Diaz deixarão muitas saudades, da mesma forma que as garotas Chloe, Max e Rachel Amber deixaram. Você pode refazer a história tentando as diferentes possibilidades mas, depois disso, só nos resta aguardar pelos próximos títulos da Dontnod, como os já anunciados Twin Mirror e Tell Me Why com a expectativa de que venham trazendo mais temas importantes, narrativa profunda e claro, as belas trilhas sonoras.

Review – Another Crab’s Treasure

Renato Moura Jr.Renato Moura Jr.24/04/2024
Stellar Blade

Review – Stellar Blade

Diego CorumbaDiego Corumba24/04/2024