Skip to main content

Algum tempo atrás, no review de The Awesome Adventures of Captain Spirit, confessei ter ficado bastante emocionado e empolgado para conhecer o que Life is Strange 2 nos traria, nesta nova história episódica da Dontnod. Eis que finalmente o jogo chegou e vou te dizer: é muito mais que uma aventura emocionante, contendo também uma premissa muito importante sobre questões sociais.

Life is Strange 2 é um jogo de aventura com grande foco na narrativa, dando possibilidades de escolhas nos diálogos, ou seja, suas decisões podem moldar pequenos trechos do jogo, como também grandes acontecimentos que podem ser construídos ao longo dos cinco episódios.

Abordando questões raciais e sua realidade desagradável

Muitos já sabiam que o Chris, de Captain Spirit, não seria o protagonista de Life is Strange 2. Os verdadeiros personagens aparecem apenas no final daquele episódio – quase imperceptíveis. São eles os irmãos Sean e Daniel Diaz, de 16 e 9 anos, respectivamente. Os irmãos vivem com seu pai, sendo mexicanos que moram na tediosa Seattle em Washington nos Estados Unidos, um lugar aparentemente tranquilo, exceto por um vizinho que claramente detesta a presença da família ali.

As demonstrações xenofóbicas são abordadas sutilmente através da forma como este vizinho trata os garotos e através de cartas onde ele pede a construção de um muro com no mínimo 2 metros de altura para separar as residências – seria uma referência as atuais políticas dos Estados Unidos? A situação fica ainda mais clara quando percebemos que Daniel é reprimido a não brincar na rua, pois pode acabar tendo problemas.

Image do jogo Life is Strange 2
Sim, Daniel, a vista é realmente bem maneira!

A narrativa continua reforçando o tema quando a polícia é chamada, após um incidente envolvendo os irmãos e este vizinho. Aqui a interpretação fica por conta do jogador, mas a forma como as coisas acontecem, onde os irmãos temem a polícia, dá a impressão de que o real problema ali é o fato deles não serem americanos.

Só por essa abordagem, Life is Strange 2 já prendeu a minha atenção completamente, pois trata-se de um assunto atual e bastante polêmico, ainda mais tendo em vista os casos recentes que presenciamos aqui no Brasil e no mundo afora.

De maneira leve, a história tenta mostrar como as pessoas reagem ao assunto. Há quem se preocupe e quem os julgue. Claro que a ficção dá uma maquiada. Daniel possui um poder sobrenatural que não sabe controlar, algo que geralmente se manifesta numa explosão de raiva ou medo, causando grandes impactos e afetando todos que estiverem próximos, reforçando a atenção aos garotos.

Imagem do jogo Life is Strange 2
Seja gentil e faça escolhas que divirtam Daniel.

Vivendo como nômades em direção a Puerto Lobos

Os irmãos prosseguem como fugitivos, se escondendo da polícia e da população. Logo percebemos que o ritmo de Life is Strange 2 não é tranquilo como visto no primeiro título, onde haviam muitas áreas seguras; embora haja momentos em que possamos gastar tempo explorando o cenário, a atmosfera está sempre recordando que ambos estão em perigo, com fome e sozinhos.

Controlamos Sean, o irmão mais velho, que precisa tomar conta de Daniel, o que inclui não só pensar na segurança, mas também em mantê-lo animado a prosseguir, a apoiá-lo com seus medos e ensinar como sobreviver.

Isso cria no jogador um sentimento de emergência, pois não é um passeio para acampar – embora Daniel acredite nisso por um tempo. Você precisa se preocupar com a segurança de ambos e as possibilidades de escolhas vão ficando cada vez mais difíceis conforme você avança.

Imagem do jogo Life is Strange 2
Sean pode roubar, mas talvez isso não seja uma boa influência para Daniel.

Cuidar de Daniel não é uma tarefa simples. As escolhas do jogador podem fazer Sean ser chato ignorando as dificuldades do pequeno, tornando a convivência difícil; ou ser um verdadeiro amigo com espírito de aventura, passando confiança para Daniel para deixar a situação menos apavorante.

Em Life is Strange 2, temos a possibilidade de carregar alguns itens na mochila, esses incluem alimentos e dinheiro. Isso abre uma possibilidade interessante para a narrativa, pois precisamos gerenciar essa grana e, em alguns momentos, é possível optar por roubar uma loja ou pagar pelos itens. Obviamente, isso terá consequências, então escolha com cuidado.

Haverá outros alimentos e distrações pelo caminho, todos eles podendo trazer respostas imediatas para a narrativa, ou alguma consequência no futuro. Isso te fará pensar se comprar um item, ou consumir algo encontrado no lixo, valerá a pena.

Imagem do jogo Life is Strange 2
Durante os diálogos as discussões são cheias de referências a jogos e filmes.

Não se pode mexer no time que está ganhando, a não ser que seja para evoluir, como aconteceu com os gráficos: que proporcionam cenas absurdamente lindas; as interações: onde ao ouvir músicas no iPod, Sean começa a cantarolar; e com os famosos momentos reflexivos que todos os jogos de Life is Strange possuem.

Neste título temos uma mudança neste momento reflexivo, neste caso está mais para um momento de curtição: os irmãos estão se divertindo ouvindo música alta e dançando; você pode comandar a câmera para criar mais ação para cena e acompanhar o ritmo da música. Ainda assim, a atmosfera é bastante emocionante, restando saber se haverá mais destes momentos nos próximos episódios.

Life is Strange 2 possui legendas em português e elas estão sensacionais, usando um linguajar bem informal com palavras como: massa; além disto está cheio de referências aos outros jogos da franquia e a cultura pop, citando filmes, jogos e até mesmo serviços como a Netflix.

Imagem do jogo Life is Strange 2
Lyla é a melhor amiga de Sean e traz boas lembranças da Chloe.

A ambientação novamente é acompanhada por belas músicas indies licenciadas. Life is Strange 2 proporciona vários momentos emocionantes, mostrando a desolada sobrevivência dos irmãos; vale lembrar que as escolhas feitas nos jogos anteriores também trazem algumas mudanças para esta nova temporada.

Há colecionáveis para encontrar e interações para realizar com Daniel, que podem ajudar a ter mais informações sobre eles e entender o passado da família; esse primeiro episódio está justamente construindo a base para a história, e ainda nem podemos controlar o poder de Daniel – espero que nos próximos episódios isso faça parte da mecânica.

Talvez por isso, pode haver a sensação de que o episódio seja curto. Mesmo assim, prepare-se para momentos surpreendentes que provavelmente vão te deixar sem fôlego de tanto prender a respiração. No fim, só vai restar a ansiedade, aguardando o próximo episódio.

SCHiM

Review – SCHiM

Diego CorumbaDiego Corumba15/07/2024
Imagem do review de Anger Foot

Review – Anger Foot

Marco AntônioMarco Antônio11/07/2024