Skip to main content

Mesmo eu sendo um jogador assíduo, às vezes me pego desmotivado para jogar novos games que repetem fórmulas já conhecidas. Independente da fórmula dar certo ou não, a falta de criatividade e repetição sempre me afastam de games do gênero FPS e Shooter, por exemplo. É como ver o sistema de “Perks”, criado por Call of Duty 4: Modern Warfare, se tornar uma regra em tudo quanto é multiplayer que vemos por aí.

Mas felizmente, indo em paralelo às tendências da indústria, temos ainda os estúdios pequenos e independentes, em especial aqueles da Europa que trazem um sopro de novidade para o mercado, como o estúdio sueco FatShark e Lead and Gold: Gangs of the Wild West. Trata-se de um jogo multiplayer baseado em combate de times no estilo Team Fortress 2, com estética baseada no velho oeste com mapas que variam de cidades fantasmas a minas de ouro abandonadas, incluindo cadeias, bares e tufos de palha.

O esquema de L&G é bem simples. Todas as partidas consistem de dois times de até 5 jogadores disputando modos de jogo que vão do Team Deathmatch e Capture the Flag (aqui seria o “capture o saco de ouro”) até domínio de pontos no mapa e destruição de pontos no mapa. Há quatro classes de personagens disponíveis, cada um com sua arma e habilidades próprias. Blaster é um minerador que carrega uma espingarda de cano duplo e pode atirar dinamites. Gunslinger é o tradicional pistoleiro do velho oeste, com bandana tampando o rosto e chapéu de cowboy, que utiliza um revolver de calibre pesado para disparar seis tiros rapidamente. Deputy é o representante da Lei, armado com uma espingarda e com a habilidade de marcar os inimigos, fazendo com que eles se tornem visíveis também para seus companheiros de equipe, aonde quer que eles estejam. E a Trapper é uma patrulheira de fronteiras armada com um rifle de longo alcance e com a habilidade de montar armadilhas, que prendem os inimigos por um tempo deixando-os vulneráveis.

Lead and Gold

Além de armas e habilidades, cada personagem tem as chamadas “sinergias”, que são efeitos que irradiam de você e afetam seus companheiros que estão por perto. Esse efeitos são: maior resistência, maior precisão, maior dano e melhores chances de danos críticos. O Blaster, por exemplo, tem o efeito da resistência. Se você ficar durante um determinado tempo perto de um companheiro desta classe, você começa a receber um bônus que te deixa mais resistentes a danos ao longo que se manter perto dele. Em outras palavras, a sinergia fortalece a estratégia em time.

Durante as partidas, ao levar um tiro e cair no chão você ainda pode sacar sua pistola para uma última tentativa de atacar seus inimigos. Caso sobreviva, a qualquer momento um companheiro de time pode revivê-lo. Isso deixa o jogo bem mais intenso e muito mais orientado para a ação. E conforme você completa os objetivos (como roubar ouro) e mata os inimigos, você ganha pontos de experiência que aumenta seu rank dentro da partida. Porém esses ranks são apenas uma forma de computar pontos para dizer quem se saiu melhor na partida. Por hora não há nenhum tipo de conquista, como roupas ou armas melhores.

Ainda falando sobre a jogabilidade, ao “fechar” a sua mira pressionando o botão direito do mouse, você ganha maior precisão no tiro. É rápido de se acostumar, mas seria melhor se essa mira (em forma de um círculo branco transparente) fosse opcional, uma vez que ela ocupa espaço na tela. Com respeito a forma que as partidas são criadas , não há muito o que reclamar.

Lead and Gold

O sistema de Lead and Gold: Gangs of the Wild West é bem parecido com aquele usado em Modern Warfare 2, com jogadores sendo alocados automaticamente. Desde do lançamento do jogo até a publicação desse review não tive grades problemas em achar salas cheias. Aliás, essas buscas nunca duram mais de 20 segundos. A única observação é que o numero de brasileiros jogando L&G ainda é baixa, e mesmo com uma conexão de banda larga você pode sofrer um pouco com lag. Outro ponto negativo é a falta de comunição por voz, o que seria essencial já que temos mapas com objetivos que precisam de uma certa coordenação entre times. Mas nada que uma atualização não resolva.

Os gráficos de L&G não fazem feio. Apesar dos cenários serem medianos, os detalhes nos modelos dos personagens impressiona. Suas vestes parecem bem reais, com detalhes de sombra e física. Os efeitos sonoros recriam com perfeição a atmosfera de “bang bang”, mesmo sem a presença de uma trilha sonora mais profunda.

Lead and Gold: Gangs of the Wild West é simples e direto, com uma abordagem que não se vê sempre nos games de multiplayer em times. É um jogo divertido, muito bem produzido e com um sistema de combate fácil de aprender. E não deve demorar para o game ganhar novos mapas, armas e até novas classes. Se você procura por um bom multiplayer corra atrás deste game que, além de custar barato (15 dólares no Steam), irá diverti-lo por muito tempo.

Imagem de Children of the Sun

Review – Children of the Sun

Marco AntônioMarco Antônio09/04/2024
imagem de Ereban: Shadow Legacy

Review – Ereban: Shadow Legacy

Marco AntônioMarco Antônio09/04/2024