Skip to main content

Todo mundo já assistiu Guerra dos Mundos vezes o suficiente para saber que, se algum dia a Terra for invadida por alienígenas, a humanidade está bem ferrada. Acontece que nesse jogo são os aliens que estão condenados, pois não existe monstruosidade forte o bastante para deter nosso bonequinho de cubos e sua pistolinha.

It came from space and ate our brains é um indie arcade que foi lançado originalmente para PC em 2015. Cinco anos depois está marcando presença nos consoles, porém nada mudou – nem mesmo seu título quilométrico. É um jogo bem minimalista que aposta alto em sua simplicidade, mas que não contava que essa também seria sua perdição.

Apenas busquem conhecimento

O jogo não possui nenhum tipo de história, apenas o conceito já citado: um monte de alienígenas rosas invadiu nosso planeta e cabe a você e três amigos sobreviverem às hordas desses comedores compulsivos de cérebro.

O estilo lembra muito Helldivers e Gauntlet. O foco é totalmente no multiplayer em co-op, pois é aqui que mora a diversão. Jogar em um grupo de quatro pessoas faz toda a diferença, mas tendo uma pessoa para jogar junto já basta para aproveitar este título como se deve. Infelizmente, o co-op é exclusivamente local, então não dá para jogar online com os amigos.

“Say hello to my little friend!”

Porém, caso você não tenha escolha e só consiga jogar sozinho, temos aí nosso primeiro problema. O jogo ainda é o mesmo, mas perde quase todo o fator diversão e compensa isso ficando mil vezes mais enjoativo. Os objetivos são muito pobres, você só precisa ir de um ponto a outro do cenário, ativar alguma coisa, matar hordas de aliens e por aí vai. Em suma, você só anda e mata inimigos, o que é muito chato de se fazer sozinho.

Tudo bem que os jogos que usei de referência são basicamente a mesma coisa, mas eles têm charme! Cada personagem é único, as mecânicas mudam de um para outro, existe uma diversidade de inimigos e até uma tentativa de oferecer objetivos paralelos para evitar que os jogadores enjoem. Não é o que vemos em It came from space and ate our brains.

Sobrevivência monocromática 

O game utiliza um visual em “pixel art tridimensional”, no mesmo estilo de Minecraft Dungeons. A visão é isométrica e tudo é composto de cubos, o que não é feio mas também não é tão cativante, pois já existem jogos demais nesse estilo e nenhum deles consegue se sobressair aos outros (ao menos estéticamente falando).

Os desenvolvedores também apostaram em utilizar o menor número de cores possível, então tudo é muito escuro e cinzento e as únicas cores que vemos são a dos aliens (que são todos cor-de-rosa) e dos itens que dropamos. Em partes, isso foi uma forma de deixar a aparição dos aliens mais surpreendente, afinal não dá para enxergar direito os pontos que não estão sendo iluminados pela nossa lanterna, mas no geral, deixou o jogo ainda mais “sem sal”.

Atira primeiro, pergunta depois.

Dispondo de dois modos, o primeiro é uma campanha bem básica, onde só tentamos vencer algumas fases ambientadas em diversos lugares para desbloquear novas. Você pode escolher entre três dificuldades, onde na mais difícil os aliens são mais rápidos e mais fortes, mas ainda assim, decepcionantes. Todos os inimigos têm um visual quase idêntico e não oferecem uma mínima mudança em seus padrões de ataque. Existe um único deles que tenta desviar de seus tiros, mas todos os outros apenas avançam com tudo para cima do jogador.

Contamos com um pequeno arsenal que pode ser melhorado conforme jogamos, além de alguns upgrades temporários que nos equipam com armas devastadoras, mas que são raros de encontrar. No geral, você terá que usar sua pistolinha por um bom tempo, matando hordas e hordas em um ritmo ridiculamente lento.

Até onde você consegue sobreviver?

O segundo modo é o de sobrevivência, que é exatamente o que aparenta: você só entra em um mapa e enfrenta hordas infinitas de aliens até onde aguentar. Novamente, é outro modo que só é legal quando jogado com mais pessoas.

Para concluir, apenas reforço que It came from space and ate our brains é um jogo simples demais que está sendo vendido por um preço muito alto. Tudo bem que está abaixo da média, mas pela quantidade de conteúdo que oferece, ainda assim está caro. Sua proposta já é manjada e ele fica atrás de vários outros que oferecem um pacote muito mais completo. Quem for arriscar, certifique-se de ter alguém com quem jogar!

Imagem do texto de RKGK

Review – RKGK / Rakugaki

Marco AntônioMarco Antônio10/06/2024

Review – Blockbuster Inc.

Paulo AlmeidaPaulo Almeida04/06/2024