Skip to main content

Em uma cabana desolada, você encontra uma figura desconhecida, mas que, por algum motivo, te coloca para jogar uma espécie de jogo de tabuleiro com cartas. Parece o roteiro de um filme de terror – e, de certo modo, é –, mas também é a premissa de Inscryption, o mais novo jogo roguelike da Devolver Digital.

Com um carteado macabro, o tal jogo esquisito esconde algo mais profundo. Além de um roguelike de cartas, a grande sacada de Inscryption é se transformar em um quebra-cabeças, onde escapar dessa cabana se torna a prioridade. Uma ideia ambiciosa para um jogo que, tecnicamente, não dispõe de tantos recursos.

Carteado e terror

Jogos de carta já não são uma novidade na indústria dos jogos – digo isso com total convicção, pois boa parte dos meus reviews foram de jogos do gênero. O que Inscryption traz de tão diferente? Bem, misturar terror com carteado pode não parecer tão inovador, mas somar isso ao fato do jogo se transformar em um quebra-cabeças estilo “escape room” não é algo que se vê todo dia.

Quando a opção de andar pelo cenário apareceu pela primeira vez em meu jogo, demorei um tempo para entender o que deveria ser feito. Passei uns bons minutos parado, esperando algo acontecer, quando descobri que poderia mover meu personagem pela sala usando o WASD – obviamente me senti a criatura mais estúpida do planeta depois disso. A exploração lhe permite interagir com objetos para descobrir o que está se passando, além de desbloquear cartas.

Certo, mas o que está acontecendo dentro de Inscryption? A trama é bem esquisita, e tudo que você sabe inicialmente é que existe uma figura misteriosa que, por algum motivo, quer jogar uma espécie de jogo de tabuleiro com cartas. A criatura cumpre o papel similar a de um mestre de RPG, onde você deve escolher por onde andar e quais cartas jogar durante os combates.

É hora do duelo

O carteado, contudo, esconde uma história sinistra. No início da minha jornada, achei que era normal as cartas conversarem com o jogador. Entretanto, percebi que apenas algumas possuem esse poder, sendo essas peças fundamentais da trama.

Ah, caso você tenha medo de jumpscares não se preocupe: todo terror por aqui é puramente psicológico – o que não necessariamente significa que seja menos assustador, muito pelo contrário…

Repeating the Horror

Muitos jogos roguelike ignoram a história para priorizar a jogabilidade. Inscryption vai na contramão disso, juntando uma narrativa envolvente com mecânicas satisfatórias. A complexidade do carteado não é muito alta, o que não significa que o jogo seja fácil. Trata-se daqueles casos onde é fácil aprender, mas difícil masterizar.

Com um sistema baseado em sacrifícios de cartas, escolher a tática certa é mais complicado do que parece. Afinal de contas, vale a pena sacrificar todas as cartas em campo para soltar uma mais forte? Essa é a questão de ouro que irá lhe perseguir durante toda a jogatina.

Bem vindo ao tabuleiro

Fora as cartas, os elementos de roguelike aparecem no tabuleiro. Cada caminho escolhido pelo personagem poderá acarretar em melhorias ou em cartas novas. Entender o que cada símbolo significa pode ser a diferença entre a vida e a morte.

Experiência macabra

Mesmo com gráficos modestos, a ambientação de Inscryption é algo que chama a atenção. O estilo pixelizado dá suporte ao ar macabro do jogo, com a iluminação e os personagens roubando a cena. 

A simplicidade aparente esconde uma ambientação bem feita. Inscryption pode parecer simples, mas a profundidade e as nuances contidas aqui são muito bem feitas. Escapar dessa cabana é muito mais complexo do que apenas vencer as partidas do jogo misterioso.

Such a lovely place

Por fim, Inscryption não deve ser encarado como um jogo de cartas. Os elementos roguelike e de quebra cabeça tornam a experiência única. Mesmo que jogos de cartas não sejam a sua praia, vale a pena dar uma chance para esse título somente pela ambientação e pela história sinistra. 

Review – Another Crab’s Treasure

Renato Moura Jr.Renato Moura Jr.24/04/2024
Stellar Blade

Review – Stellar Blade

Diego CorumbaDiego Corumba24/04/2024