Skip to main content

Mesmo chegando aos pouquinhos e comendo pelas beiradas, Genshin Impact literalmente caiu forte nas mãos dos gamers nesta semana e, como um vírus, se espalhou de forma assombrosa. O título, gratuito no PlayStation 4, PC e mobile conseguiu a proeza de fazer as pessoas pararem um pouco as discussões sobre PS5 e Xbox Series X para curtir a aventura que lembra bastante o estilo visto em The Legend of Zelda: Breath of the Wild.

O rosto pode até ser parecido, mas o título online é absurdamente diferente da saga de Link e do que foi criado pela Nintendo. A miHoYo usou isso como gancho para tentar várias coisas novas e, entre erros e acertos, conquistou já uma boa parcela de fãs. Isso ao ponto de ver quatro colegas meus, com gostos extremamente distintos, de forma empenhada e trocando informações sobre o que descobriram a todo momento. Em muitos anos que os conheço, essa é a primeira vez que vejo todos concordando em algo e não é para menos. O jogo é épico.

Parece Zelda, mas não é

Como afirmei, Genshin Impact é um jogo de aventura e exploração que lembra muito os jogos da série Zelda. Principalmente BotW. O sistema de stamina, o paraglider, a possibilidade de captar ou comprar alimentos para cozinhar, entre vários outros aspectos te fazem imaginar que aquilo é uma cópia descarada da franquia da Nintendo. Porém, há diferenças gritantes e que conseguiram empolgar até os mais céticos.

O próprio gameplay é um deleite. A história não é a das mais criativas, gêmeos com poderes extraordinários que se separam e cabe a você no papel de um deles encontrar o irmão ou irmã perdido/a, cidades sendo ameaçadas por dragões, uma guilda de heróis tentando impedir o caos, sinceramente nada de mais. Mas, sinceramente, a pegada daqui é explorar o mapa e descobrir oponentes diferentes ou locais que explicam mais sobre a lore criada para o jogo.

Imagem do review de Genshin Impact
Onde já se viu aventura sem um dragão no meio?

Nessas andanças, por exemplo, descobri um Golem que lança mísseis dentro de um templo de forma completamente inesperada e tive de me virar nos 30 para poder derrotá-lo. Mesmo não sendo o momento ideal com o nível e com as armas que eu mantinha em mãos. São momentos assim que ficarão para a sua memória quando pensar no game, a experiência de todos não é a mesma e isso gera um afeto nele. Como se fosse uma aventura apenas sua, sabe?

As cidades e vilas também são um charme à parte, com até mesmo os NPCs chamando atenção e te dando algumas dicas conforme o seu progresso. O primeiro local que visita, Monstadt, já mostra tudo isso e se você não estiver atento, perderá detalhes importantes como baús escondidos ou alguns bônus que ganha ao conversar com certos moradores. A fada que o acompanha te indica os mais importantes, mas o que há por baixo dessa camada que te fará curtir ao máximo.

Imagem do review de Genshin Impact
A fada que te acompanha sempre te dá a letra do que fazer.

Os combates são simples e sem muitas peculiaridades. Um botão para atacar, tendo duas formas diferentes conforme a intensidade do aperto, outro para soltar magia, um golpe especial e um para desviar e se movimentar. Porém, cada personagem tem uma habilidade distinta no meio disso e esse é o grande diferencial daqui. Seja invocando um tornado que devasta tudo, uma chuva de flechas de fogo, um corvo que dispara raios elétricos, um campo gravitacional que une todos os inimigos, o céu é o limite.

Você também conta aqui com uma gama de opções vistas apenas em grandes RPGs. São vários tipos de equipamentos e armas diferentes, que podem oferecer upgrade nos seus atributos básicos e que também podem ser reforçadas para ficarem ainda mais poderosas. Até a arma mais simples daqui, que você tem no primeiro minuto de jogo, pode ser algo ameaçador aos inimigos se ganhar um cuidado especial desses.

Imagem do review de Genshin Impact
Quando não tiver muito forte e apanhando, voe para longe.

Para ser sincero, o que realmente destaca Genshin Impact dos demais é o que pode fazer e está fora da cartilha básica. Existem espíritos espalhados que você pode guiar ao descanso, ganhando baús com itens especiais. Oponentes valiosos em seu caminho, templos escondidos, side quests com personagens cativantes entre vários outros pontos que conseguirão te prender nesse universo e fazer perder até a noção do tempo. O ambiente é riquíssimo e só descobrirá isso ao explorar e conversar com todos em seu caminho.

O que mais incomoda aqui são as limitações da liberdade que você acredita ter. Por seguir um sistema de avanço por níveis, existirão momentos onde você estará explorando o mapa e Genshin Impact simplesmente vai te impedir de seguir em frente. A fada que o acompanha dirá um “não é a hora, vamos voltar” e não dá para ignorá-la. miHoYo, deixe eu entrar lá e apanhar de forma assombrosa. No máximo vou voltar do último checkpoint e nem piso mais lá.

Imagem do review de Genshin Impact
Usar o personagem não faz ele sumir nos diálogos.

A movimentação dos personagens também é um grande empecilho. Quando você está gastando stamina, é completamente aceitável a corrida, pulos e tudo mais. Mas se mover sem gastá-la chega a ser irritante. Parece que você nunca chegará a lugar algum e nem mesmo no combate elas te auxiliam em algo, como se você estivesse sendo obrigado a fazer grande esforço sempre para poder realizar o básico.

O diferencial de Genshin Impact

Famosa nos smartphones, a mecânica gacha também é um forte fator por aqui. Conforme completa missões, derrota inimigos poderosos e afins, ganha itens que podem ser usados para sortear equipamentos ou, para os mais sortudos, personagens novos. O título tem vários heróis diferentes, cada um dominando um poder elemental e que possui aptidões diferentes de armas.

Imagem do review de Genshin Impact
Genshin Impact também conta com um modo fotografia.

Por ser gratuito, esse sistema é muito próximo às microtransações que conhecemos e é a forma como a miHoYo encontrou de conseguir lucrar com ele. Você não é obrigado a seguir por esse caminho, já que na própria história de Genshin Impact você forma um grupo com ao menos um herói de cada elemento para desvendar os mistérios do imenso continente. Mas vamos ser sinceros, é tentador demais ter uma equipe diferenciada dos seus amigos.

O grande mal é que os melhores itens e equipamentos são conquistados através desse sistema. Nessa primeira semana, todos estão recebendo vários bônus para alcançar isso sem gastar R$1. Mas, se você marcar bobeira e demorar para começar a jogar, pode encontrar dificuldade no futuro para alcançar o restante. Ou seja, se aceita um conselho e se está interessado nele, aproveita a hype enquanto há tempo.

Imagem do review de Genshin Impact
“Ô sr.ferreiro, não veio nenhuma boa no loot, capricha aí pra mim”.

Outra função que foi trazida diretamente do mobile foram os bônus de login diário, as conquistas que te permitem resgatar itens e que te dão tarefas que, normalmente, você não cumpriria entre outros. No PS4 eu me senti como se tivesse com um gigantesco celular em mãos, do tanto que já vi disso e da interface que é puxada dos games atuais que costumam sair para Android e iOS. Admito que a adaptação não ficou ruim, apesar de causar estranheza em quem joga apenas em consoles de mesa.

Quanto ao seu desempenho, devo afirmar aqui que Genshin Impact é extremamente lindo nos smartphones. Apesar de ter testado no PlayStation 4, tive a oportunidade de ver e jogar um pouco dele num aparelho móvel e a desenvolvedora fez milagres com o que tinha. Ouso dizer que, aquilo que você vê rodar com facilidade no seu computador ou no console da Sony foi fielmente trazido para a palma de suas mãos.

Outro detalhe importante é a possibilidade de ter cross-save e cross-play entre as versões de PC e mobile. Isso facilita bastante a vida de quem trabalha ou estuda, que pode aproveitar a jornada em seus intervalos e continuar em casa numa máquina mais potente e usando mouse e teclado. A empresa não poupou esforços ao facilitar ao máximo que podiam aos fãs. O único que ficou de fora foi o PS4, talvez por limitações da própria Sony.

Imagem do review de Genshin Impact
A versão mobile não perde nada para a de PCs e PS4.

No console de mesa, apesar de poderoso, não escapou de ter pequenos travamentos, bugs e até mesmo queda de frames em momentos com mais personagens em tela. E os confrontos geralmente não acontecem com apenas um ou dois oponentes, já vi alguns que tinham mais de oito inimigos ao mesmo tempo indo para cima de você. Aí já viu a treta que se torna para poder vencer aquilo de cabeça fria, certo?

Apesar disso, Genshin Impact se mostrou uma grande surpresa em 2020. Unindo o conceito de exploração visto em The Legend of Zelda: Breath of the Wild com vários elementos de RPG, a miHoYo acertou em cheio ao criar um game tão completo e cujo sistema, antes visto apenas nos celulares, funcionando tão bem no PlayStation 4.

Se você ainda não conseguiu baixar, dê uma chance a ele e aproveite, já que o título é gratuito e te permitirá passar um tempo absurdo naquela realidade. Se me perguntassem na semana passada, eu não estava dando muito crédito a ele, mas a desenvolvedora fez questão de deixar o melhor dali fora dos trailers e super indico para qualquer jogador que procure uma aventura que te marcará.

Imagem de The Thaumaturge

Review – The Thaumaturge

Marco AntônioMarco Antônio04/03/2024

Review – Top Racer Collection

Rafael NeryRafael Nery04/03/2024