Skip to main content

Misturas de gêneros diferentes são sempre bem-vindas. Evertried traz roguelike, que está em alta, com batalhas táticas por turno parecido com o bom e velho Final Fantasy Tactics. Essa mistura não é nenhuma novidade, mas também não é algo que vemos fácil por aí. Em relação a parte tática do jogo, não se preocupe que não é nada igual o jogo citado, é bem mais simples na verdade.

Você é um guerreiro que morreu e foi para o mundo dos mortos, que é uma torre, sem memória alguma. Conforme você sobe essa torre, você encontrará NPCs que irão agregar mais à história e vão ajudar o protagonista a recuperar sua memória e lembrar quem ele foi. A vida eterna é garantida àquele que chegar no final da torre, segundo o ser que explica a história no início.

Igual outros, mas com toque próprio

Cada novo cenário tem uma abertura como essa

A grande maioria dos roguelikes prometem cenários gerados aleatoriamente, Hades é um dos melhores do gênero para entender isso. Em Evertried, esse quesito é bem mais simples, já que cada cenário é uma espécie de tabuleiro do mesmo tamanho. O que muda a cada tentativa é só a posição dos inimigos e as armadilhas. Portanto, na próxima vez que você tentar, já vai estar bem familiarizado.

Evertried se diferencia pelo fator tática, diferente da ação frenética dos outros jogos do gênero. Cada elemento na tela tem sua vez de agir, seja para andar ou atacar. Depois que você se movimentar em um quadrado, o restante dos elementos tomam suas ações todas de uma vez, tantos os inimigos, quanto as armadilhas.

Entender isso é crucial para prosseguir. Antes de executar qualquer movimento, é extremamente importante antecipar cada ação de todo o resto que está na tela. Os inimigos podem ser feridos pelas armadilhas e ataques de outros inimigos da fase. A proposta é bem legal, mas o entusiasmo diminui quando você percebe que as ações dos inimigos são previsíveis.

Cada chefe tem várias formas, mudando o comportamento em combate

Batalhas criativas, mas pouco desafiadoras

Sim, infelizmente serão poucos os momentos que se sentirá realmente desafiado. Claro que isso varia de jogador para jogador. O maior desafio mesmo é entender as mecânicas pela primeira vez. Você vai, sim, falhar e começar tudo de novo. Mas, como eu disse, isso vai acontecer só até você entender como funciona tudo. Não vai demorar muito para você terminar uma fase sem ao menos encostar num inimigo, somente “baitando” eles para as armadilhas ou para seus próprios ataques.

A movimentação é bem simples, é possível ir para cima, baixo, esquerda e direita. O guerreiro conta com um dash que o leva para duas casas de distância para qualquer direção, inclusive passando por armadilhas e inimigos sem levar dano. Isso tem o custo de não acumular uma carga. As cargas são recarregadas com qualquer movimento simples, e elas são necessárias para executar os ataques especiais.

As lutas contra os chefes guardiões são legais, criativas, mas, de novo, não são muito desafiadoras. Dessa vez o problema não é igual acontece com os inimigos comuns, os chefes simplesmente não são tão desafiadores. Não demora muito para você entender como cada um funciona, mesmo que todos eles tenham fases diferentes. Para falar a verdade, a maior frustração mesmo será um erro bobo que vai acarretar o retorno ao início, sendo necessário ir tudo de novo.

Se achar o “Manto de Energia”, compre imediatamente!

É como se estivesse em um tabuleiro

A torre do jogo conta com 50 andares divididos em cinco cenários diferentes. No meio de cada cenário, a cada cinco andares, você encontrará o vendedor oferecendo habilidades e modificadores pelo preço de alguns cristais, que você consegue derrotando os inimigos. Aqui funciona basicamente como a maioria dos jogos roguelike. Dá para se curar, comprar modificadores e habilidades dos mais diversos para ataque e defesa, ou ainda resetar tudo e refazer sua build.

Como mencionado, são cinco cenários diferentes, e infelizmente a variedade de inimigos é baixa. Você irá vê-los repetidos, mas mudando a cor ou tendo um ataque diferente. Eles mudam mesmo a cada dez andares, quando um novo cenário aparece. O guerreiro protagonista suporta até dois ataques antes de morrer (já morto) e voltar ao início da torre. Existem modificadores que podem protegê-lo mais, caso tenha a sorte de encontrá-los à venda.

Inimigos com escudos devem ser atacados mais de uma vez para derrotá-los

Evertried é divertido, mas não muito desafiador. E jogos roguelike são conhecidos por seus desafios. Outra coisa que me incomodou, foram alguns screen tearings ao subir para o próximo andar. O jogo não tem a opção de Vsync e não consegui resolver no painel da placa de vídeo manualmente. Com tudo isso dito, o jogo traz uma forma de batalhar criativa, você vai gastar alguns segundos antes executar qualquer movimento. O jogo tem bons gráficos pixelados e uma animação okay. Desenvolvido por Lunic Games/Danilo Domingues, Evertried é brasileiro, reforçando mais ainda a capacidade da nossa indústria com bons títulos indies.

Imagem do texto de RKGK

Review – RKGK / Rakugaki

Marco AntônioMarco Antônio10/06/2024

Review – Blockbuster Inc.

Paulo AlmeidaPaulo Almeida04/06/2024