Skip to main content

Nos tempos em que eu jogava The Legend of Zelda: A Link to the Past no Nintendinho com meu primo ou Vigilante 8 no meu PlayStation 1 nós não tínhamos a mínima ideia do que estava escrito nos diálogos e cutscenes do jogos. E era assim para a maioria da galera, alguns até se arriscavam a jogar em japonês. Com ou sem um dicionário em mãos, todo mundo se esforçava ao máximo para compreender a história e, por muito tempo, nos divertíamos sem entender uma palavra até zerar o jogo. Tradução era luxo de quem jogava no PC e, mesmo assim, não haviam muitas.

De 10 anos pra cá isso mudou radicalmente. Cada vez mais vemos games chegando por aqui com legendas e dublagem. Isso sem mencionar as facilidades que os jogos apresentam em suas mecânicas, ensinando o jogador como jogá-lo. Naquela época não havia tutorial, informações detalhadas de como completar cada missão, botão pra ativar dicas, nada disso. E é exatamente assim em Dark Train: não há idioma para aprender, dicas a seguir, muito menos um tutorial. É você por conta própria, desvendando um novo mundo.

Gameplay inovador e visual único

No jogo você é uma lula mecânica chamada ANN 2.35f, atado a um trem gigante, cujo objetivo é desvendar os puzzles espalhados pelos vagões. Não há história no jogo, apenas um objetivo: tirar sua maria fumaça dali e fugir de uma cidade um tanto quanto assustadora.

Se sua maria fumaça começar a andar, é porque você está indo bem

Sendo descrito pela Paperash como “um puzzle 2D hardcore”, Dark Train chama atenção pela simplicidade das mecânicas. Não há mistério em como interagir com a lula, pois o desafio está concentrado nos puzzles mesmo. A trilha sonora é bem simples, mas se encaixa perfeitamente dando um clima de terror ao jogo. E os efeitos sonoros, quando interagimos com os objetos, é bem marcante.

Outro fator que chama a atenção é a beleza dos ambientes. Dark Train ganhou o prêmio de Melhor Visual e foi nomeado em outras cinco categorias da Premiação Tcheca de Game do Ano – o maior número de indicações da premiação de 2016, junto a Samorost 3 (da Amanita Design). Aliás, ambas as desenvolvedoras são da República Tcheca, já conhecida por seus jogos mais artísticos. Dark Train é todo feito com animações de ilustrações manuais com cortes de papel. Sim! O jogo é todo feito de papel:

É mesmo de papel! Eu avisei!

Os puzzles são pontuais e acontecem no exato momento e lugar, fazendo com que o jogador tenha que experimentar diferentes formas, tempos e abordagens para ativá-los. A falta de instruções faz com que você tente inúmeras vezes para conseguir a condição ideal de resolução. É um jogo de muita, mas muita experimentação. No geral, após ativar o primeiro puzzle de um vagão, você entende como aquela parte do game funciona e tudo flui mais tranquilamente.

Não se assuste, o jogo é difícil mesmo

O acesso às partes do trem vão sendo liberadas aos poucos. Cada puzzle resolvido libera um novo vagão, mas nunca bloqueia o anterior, já que você terá que voltar algumas vezes para desvendar o próximo desafio. É importante ressaltar que a resolução dos puzzles é bastante gratificante. Em alguns momentos é possível viajar no tempo para épocas diferentes no mesmo vagão, permitindo alterar o passado para resolver um puzzle no futuro.

Tem vagão tão aconchegante que às vezes o trem nem fica tão “dark” assim

Ao completar um desafio você ganha uma recompensa que é guardada no seu inventário, representado como um ninho da ANN 2.35f. Mesmo sendo uma lula mecânica, ANN 2.35f é expressiva e mostra reações à parte dos movimentos do jogador, como medo, sustos e leves sinais de interação caso você passe por um lugar onde é possível mover algo. Dentro dos vagões a lula se movimenta livremente, diferente do lado externo do trem onde ela está atada. Tudo que se pode interagir é mostrado por um magnetismo com os tentáculos da protagonista ou tem sons e luzes ativadas. As interações da lula ajudam a motivar o jogador a tirá-la daquele ambiente hostil.

O universo criado para o game é bastante rico e explorado a todo momento durante a aventura. Todas as resoluções dos desafios fazem sentido, nada aqui parece sem fundamento ou “fora do lugar”. A ausência de história me incomodou no início, mas logo entendi que a experiência da jogatina é o suficiente para compreender a necessidade de fugir da cidade. O estilo “non-sense” também chama a atenção, com boas surpresas durante a jornada.

Uma jornada de recompensas para quem não tem pressa

Fica mais bonito ainda depois que você desvendar o puzzle

Apesar da atmosfera densa, os sons calmos do jogo proporcionam um gameplay prazeroso. A resolução dos puzzles não são repetitivas nem bobas e, mesmo após muitas tentativas, não se torna chato resolver os desafios. Não vou negar que, em alguns momentos, a falta de dicas quase tirou a minha esperança ao tentar desvendar mais alguma parte do game. Mas basta ter paciência que tudo correrá bem. Dark Train é um must-have para quem ama desvendar um jogo sem auxílio nenhum, pois cada desafio liberado é extremamente gratificante.

Imagem do texto de RKGK

Review – RKGK / Rakugaki

Marco AntônioMarco Antônio10/06/2024

Review – Blockbuster Inc.

Paulo AlmeidaPaulo Almeida04/06/2024