Skip to main content

Qual foi a última vez que você parou em uma cafeteria? É possível que a resposta para essa pergunta seja nunca, já que a vida urbana torna essa atividade inviável para a maioria das pessoas. Nesses lugares, que estão cada vez mais raros hoje em dia, cada cliente que entra possui sua própria história, algumas com roteiros dignos de Hollywood. Dentro desse contexto, Coffee Talk busca representar um lugar onde diferentes experiências, conflitos, medos e alegrias são compartilhadas, muitas delas relacionadas diretamente ao mundo do jovem adulto contemporâneo.

Espere por um universo alternativo, onde elfos e vampiros convivem com humanos, e personagens cujas histórias são verossímeis. Lembre-se de que, na maioria das vezes, basta um ambiente agradável e uma boa bebida para que as melhores histórias fluam naturalmente.

Não gostaria de entrar para tomar uma xícara de café?

A premissa de Coffee Talk é bem simples, para não dizer simplória: você, como dono de uma cafeteria, deverá servir bebidas aos seus clientes. O fator desafio aqui é bem baixo, já que cada bebida se consiste na mistura de três ingredientes a serem escolhidos pelo jogador, possibilitando a criação de diferentes tipos de chás, cafés e lattes. Não existe uma variedade muito grande de produtos de mistura, o que limita bastante o número de criações possíveis.

Os personagens chegarão à sua cafeteria, interagindo com você e os outros clientes, e pedirão algo para beber. Nesse momento, você deverá acertar a sequência certa de ingredientes para acertar o pedido desejado. Muitas das vezes, a resposta para isso estará literalmente no seu diálogo com eles, quando será necessário apenas ler e misturar os ingredientes citados.

Diferentes tipos de bebidas são criadas nessa máquina.

Não se preocupe em memorizar todas as combinações, pois em seu celular, representado por um ícone no canto inferior esquerdo, existe um aplicativo que anota todas as receitas já criadas. Caso algum pedido seja excêntrico demais para ser deduzido, é possível realizar experimentos nessa máquina, descartando as combinações que geram algo diferente do que foi pedido. Mas tenha cuidado, pois é permitido descartar apenas cinco bebidas por dia.

Além disso, os lattes de Coffee Talk permitem a criação de desenhos, o que é conhecido como “latte art”. As ferramentas para isso são bem limitadas, permitindo adicionar gotas de leite e moldar sua forma de acordo com o líquido contido na xícara. Com o meu terrível incrível dote artístico, o máximo que consegui desenhar foi uma carinha sorridente que qualquer criança faria.

Outro fator importante aqui é que não existe uma moeda no jogo. Tudo o que é servido na cafeteria não é contabilizado pelo jogo, apesar do seu personagem falar que existe um preço. Isso significa que, diferentemente de jogos como VA-11 Hall-A: Cyberpunk Bartender Action, não é possível investir em nada depois que a sua jornada de trabalho se encerra.

Se bom pra você for, podes partir, amor…

Coffee Talk aposta em sua história para entreter o jogador, já que as mecânicas de jogo são extremamente limitadas. A sua pequena cafeteria atrairá poucos clientes, mas todos eles serão personagens com histórias únicas a serem contadas. Você, como barista e dono do estabelecimento, participa das interações entre os personagens, ouvindo e dando a sua opinião sobre as suas histórias. Infelizmente, apesar do seu personagem ser uma peça importante na trama, não existem diferentes opções de diálogo, o que te limitará a apenas ler as histórias.

Os dramas da atualidade são retratados aqui.

Falando na história, ela é, sem dúvidas, o carro chefe de Coffee Talk. Todos os dilemas apresentados pelos personagens buscam retratar, através de um universo fantasioso, dramas muito comuns na atualidade. Você será, por exemplo, apresentado a um casal de jovens namorados que estão passando por um momento delicado em seu relacionamento. A raiz desse problema é o fato de que as raças dos dois são diferentes, se constituindo de um elfo e uma succubus, tornando-os alvo de preconceito por parte de suas famílias.

Como dito anteriormente, não é possível escolher as opções de diálogo para o seu personagem, então todas as soluções e conselhos já estão pré-definidas no jogo. Ao final do dia, todos voltam para as suas casas, encerrando todas as interações e preparando terreno para um novo dia de trabalho. A cada manhã, seu personagem recebe um jornal, no qual apenas as manchetes são legíveis, noticiando os fatos relacionados a essa realidade alternativa. Esse é o máximo de interação fora da cafeteria existente, já que, depois de ler as manchetes e tomar o seu próprio café, a jornada recomeça.

As manchetes também tentam fazer alusão aos acontecimentos do mundo real.

Na mesma praça, no mesmo banco…

Um recurso que quebra um pouco a monotonia do jogo é o seu celular. Além de manter as receitas de bebidas desbloqueadas, ele também possui outros três aplicativos. O primeiro é uma especie de rede social alternativa, em que todos os personagens encontrados por você possuirão um perfil lá. A cada interação nova, mais informações sobre eles estarão disponíveis. O segundo é um aplicativo de histórias, semelhante ao Medium, em que uma de suas clientes disponibilizará os textos dela. O último é uma espécie de Spotify, permitindo ao jogador trocar de música a qualquer momento.

Um novo dia, as mesmas tarefas. Os clientes poderão se alternar conforme os dias passam, mas o jogo continuará o mesmo: faça as bebidas e ouça as histórias. As circunstâncias da cafeteria podem até mudar, mas os dramas continuarão presentes. É interessante notar a evolução dos personagens nessa trama, mas não há nada de impressionante, além de algumas correlações com a vida real.

Por fim, Coffee Talk é uma visual novel que segue uma receita extremamente simples: realize uma atividade e leia a história. Sem nenhum desafio grandioso ou elementos de gerenciamento, o jogo aposta na verossimilhança do seu universo para cativar os jogadores. Os temas abordados aqui buscam representar questões de um grupo específico de jovens, o que faz de Coffee Talk um jogo extremamente dispensável para a maioria. Se você tem interesse por temas sociais e não se importa de ficar horas lendo diálogos, ou se apenas quer um jogo para relaxar enquanto uma música de fundo toca, então talvez exista algo do seu agrado por aqui.

Imagem do texto de RKGK

Review – RKGK / Rakugaki

Marco AntônioMarco Antônio10/06/2024

Review – Blockbuster Inc.

Paulo AlmeidaPaulo Almeida04/06/2024