Skip to main content

Desde que joguei Worms Armaggedon, no primeiro PlayStation, anseio por ter a mesma sensação que aquelas batalhas me traziam. É um tipo muito específico de jogo, qual confesso não ter me aproximado depois de ver para onde a franquia caminhou e ninguém se igualou àquela façanha. Isso até a chegada de Cannon Brawl em minhas mãos, que me deu a esperança de ver um futuro brilhante no gênero.

Estamos em pleno 2021, é muito difícil catalogar um jogo, ainda mais um indie, como algo genial ou que revolucione o mercado. Porém, convenhamos, não precisa reinventar a roda para trazer uma experiência agradável e basta trazer algo muito divertido para podermos aproveitar que já é um grande avanço. E nisso, meus amigos, a Temple Gates Games acertou em cheio, trazendo um dos jogos mais dinâmicos que já vi em meu Nintendo Switch.

A emoção das batalhas de canhões

Definir Cannon Brawl é um pouco complicado, até porque ele mistura mecânicas do citado Worms e de RTS, desenvolvendo uma mecânica completamente inédita. Em resumo, você tem dois castelos, o seu e de seu inimigo. Vence quem destruir o do outro primeiro, simples assim. Mas para isso, você terá à sua disposição vários recursos que te ajudarão a chegar até o seu objetivo e a chegar até o final da partida como vencedor.

Entre os itens, você não contará apenas com os básicos de ataque. Conforme avança, além do canhão básico, você poderá controlar o poderoso raio laser, uma broca que afunda os inimigos dentro da terra, bombas que caminham até o lado do inimigo, mísseis entre outras. Estão inclusos balões, que ajudam a aumentar o seu território, mineradoras para aumentar seu orçamento para construir coisas novas e realizar upgrades e várias outras funções que descobrirá jogando.

Imagem do review de Cannon Brawl
Sua estratégia vai superar a do oponente na batalha?

Mas quer saber, isso tudo é balela. Regras e outras definições que apagam a verdadeira graça de Cannon Brawl. Vou ser sincero com vocês, nada apaga a empolgação de começar o combate, voar com a sua nave para preparar tudo, ver seu oponente já mandando o primeiro tiro e ter de revidar de forma ágil para não ficar para trás. Aí piscou e já tem outras coisas surgindo, decisões a serem tomadas no calor da batalha e uma legião de possibilidades à sua frente. Vence quem souber se organizar melhor no meio disso.

A estratégia real também encontra lugar para quem busca um pouco mais de profundidade no game. Lasers podem ser rebatidos com o escudo. As bombas que caminham só chegam até você se a rota não tiver nada a impedindo. Os canhões só te atingem de longe se o oponente conseguir minerar dinheiro a tempo de evoluí-los. Vencer reduzindo tudo aos destroços é ótimo, mas acabar com a tática de seu oponente é maravilhoso. Deveria tentar, faz bem.

Tem poucas coisas mais divertidas que ver esse raio cortando a arena.

E a melhor parte disso tudo é que isso tudo rola em questão de pouquíssimos minutos de Cannon Brawl. Existirão confrontos que não vão ter nem um minuto de duração. Vai depender muito do seu tempo de reação e em como se comportará com todas as variáveis dentro do conflito. O que parece simples à primeira vista, qual teoricamente é, pode se transformar numa verdadeira bagunça e caberá a você dar um jeito antes do seu castelo ser completamente destruído pelo exército inimigo.

Há uma quantidade boa de desbloqueáveis também, quais a maioria será liberado conforme você joga o Modo Aventura. Porém, enquanto está avançando contra as forças do irmão do rei, também há desafios que podem ser completados para conseguir mais experiência e gastá-la com novos itens e até novas naves, cada uma com um efeito diferente daquelas que contém na história.

Imagem do review de Cannon Brawl
Tem muita coisa para desbloquear após zerar o Modo Aventura.

Me espantei por Cannon Brawl não fazer parte de nenhuma competição de Esports ainda, pois consegui ver perfeitamente pessoas competindo nele de forma séria. Apesar de estar chegando no Nintendo Switch agora, ele já está disponível há um tempo no PC, PlayStation 4 e Xbox One. Só digo uma coisa pessoal, vocês estão perdendo um bom tempo não dando a atenção que ele merecia, de verdade. Já vi jogos infinitamente piores, mas com destaque por serem AAA…enfim, vocês sabem como funciona.

Apesar de não ter conseguido testar o multiplayer online, por ter realizado o teste antes do lançamento, o local também é extremamente divertido e gera bastante conteúdo para duas pessoas. Ambos escolhem as suas armas e a batalha começa rapidamente, um consegue enxergar tudo o que o outro faz para aumentar ainda mais o nervosismo, além de poder ouvir os xingamentos ao vivo, tudo funciona de forma fluída e não experimentei nenhum travamento ou ausência de risadas durante o processo.

Imagem do review de Cannon Brawl
Como isso não se transformou em Esports é uma ótima questão.

Por trás da diversão

Notando através do vídeo e das imagens deste review de Cannon Brawl, é fácil não se encantar pelo seu design e pela arte geral. Ela realmente não chama a atenção e muitos passarão batidos pelo título se apegando a este detalhe. Porém, ele esconde um equilíbrio gigantesco, daqueles que não se encontra na grande maioria dos títulos que saem por aí. Ver que todas as batalhas, independente de como sejam iniciadas, possuem chances de ambos os lados vencerem de forma justa é impensável atualmente.

E mesmo que a minha experiência com o game tenha sido impressionante, gostaria de apontar alguns pontos que desejo que sejam melhorados futuramente. Sim, eu espero já pela sequência, não me julgue. Além de desejar um level design mais variado, saindo um pouco da repetição de apenas pedaços de terra flutuantes e algumas alterações no solo. Enquanto enfrentava os desafios, até via algumas coisas distintas, mas que não se repetiam na versão da Aventura ou do multiplayer.

Imagem do review de Cannon Brawl
Sim, eu quero uma sequência disso. Se você jogar, também vai.

Outra coisa que vale nota é o que faz Worms Armaggedon ser um sucesso até os dias atuais. A interação do cenário com o conflito seria uma excelente adição e senti falta disso em vários dos momentos. Ué Temple Gates Games, o que custava congelar uns itens nas áreas gélidas? Ou fazer o vulcão cuspir fogo no meio da batalha, mudando um pouco os ares de determinados combates. Fazer o mar subir conforme o tempo passa seria cópia, mas não reclamaria de ver algo do gênero também por aqui. O que custa sonhar?

Mesmo que eu e nem você podermos apontar isso como falhas dele, eu simplesmente senti um buraco no meio de tantas ideias que poderiam ser implementadas ali. Vamos combinar, o lançamento dele original foi em 2014, para computadores. Poxa, já se foram sete anos para acrescentar alguns recursos bacanas nisso e que atraíssem uma base maior de jogadores. Na intenção de ser um jogo indie, ele é perfeito em sua proposta. Mas o tempo que ele está no mercado não ter algo de diferencial adicionado é questionável.

Imagem do review de Cannon Brawl
Já faz um tempo que ele é mais do mesmo lançado em 2014.

Ou seja, se você jogou as primeiras versões e acredita que encontrará algo diferente em Cannon Brawl no Nintendo Switch, pode dar meia volta. Se não tiver adquirindo o game com o objetivo de se divertir com os seus amigos e compartilhando momentos incríveis no multiplayer da plataforma, estará apenas adquirindo mais do mesmo para a sua biblioteca. Sei que é bem distinto discutirmos o que o jogo é com aquilo que ele poderia ser, porém assim que você finaliza a aventura e vê que se encaixariam tantas coisas legais, começa a reparar o vazio que isso deixa.

Fora isso, o título é uma excelente forma de aproveitar o tempo com os amigos e curtir as partidas. Além disso, ele tem um grande fator replay, seja para completar os dez desafios oferecidos pela jornada principal ou para desbloquear todos os recursos disponíveis e que aumentam ainda mais o poder bélico de seus exército. Para completar, assim que fecha a aventura principal, você também libera um Modo Pesadelo que torna as batalhas em algo ainda mais interessante.

Cheio de ação para oferecer e uma verdadeira aula de level design e de diversão, Cannon Brawl é a pedida certa para quem busca um sucessor à altura de Worms Armaggedon. Falo por experiência própria, para quem pegou o título apenas por curiosidade mesmo e sem pretensão alguma, ele se mostrou uma verdadeira pérola no meio de tantos games que não merecem nem 1/3 de nossa atenção. Não só vale a pena, como é indispensável naquela tarde com os amigos.

Imagem do texto de RKGK

Review – RKGK / Rakugaki

Marco AntônioMarco Antônio10/06/2024

Review – Blockbuster Inc.

Paulo AlmeidaPaulo Almeida04/06/2024