Jogo “Morto” e o cenário indie brasileiro